Notícias

Análises

7 de março de 2017

Rocketbirds 2: Evolution


Desenvolvido pela Ratloop Asia e publicado pela Reverb Triple XP, Rocketbirds foi lançado originalmente em 2016, no Steam. Uma vez mais temos como protagonista o Hardboiled Chicken, um galo que em nada fica atrás em relação a personagens como Rambo ou o Terminator. Retomando no ponto onde havíamos ficado no primeiro Rocketbirds, a história deste segundo título gira em torno do regresso do ditador Il Putzki, um pinguim megalómano.

O jogo perde algum tempo para mostrar-nos, através de uma bela cutscene, acompanhada pela música dos New World Revolution (os quais devo dizer, são bastante talentosos), como o ditador conseguiu sobreviver a ter sido obliterado pelo herói de poucas palavras que é Hardboiled. Uma vez vislumbrado o vídeo, é-nos dado o controlo de Hardboiled. O nosso objectivo é simples. Infiltrar-mo-nos no covil dos malévolos pinguins e eliminar, uma vez mais, Putzki. No entanto, convém referir que esta é apenas uma das partes do modo história, intitulada Part 1: The Cockup. Existe uma Part 2, chamada de Rescue, na qual podemos escolher de entre um contingente de diferentes galos e galinhas, cada qual com as suas respectivas armas equipamento, e temos a nosso encargo uma missão distinta da vista na Part 1. Com os pinguins a serem, novamente, os inimigos, a diferença reside no facto de termos que reaver o nosso quartel-general, tomado pelas aves fascistas e tentar descobrir o paradeiro de Hardboiled, que está desaparecido em acção. Ambas as partes estão disponíveis para serem jogadas desde o início, sem uma ordem específica.


De salientar que a conclusão de ambas permitirá uma maior compreensão do jogo. Para além das óbvias diferenças a nível da história, a grande diferença entre as duas partes reside no facto da segunda ser mais vocacionada para a componente multijogador (e online). A jogabilidade de Rocketbirds é o que seria de se esperar relativamente a um jogo "run and gun". Para conseguir completar as suas missões com êxito, o jogador deve usar as armas à sua disposição para aniquilar a oposição. Para além das armas que temos inicialmente (no caso de Hardboiled começámos com uma metralhadora e uma caçadeira), podemos apanhar outras, via inimigos. Também dos inimigos podemos obter outros equipamentos, desde munições e itens para encher a nossa barra de energia, até coletes e capacetes, cujos efeitos variam, mas normalmente consistem na melhoria deste ou daquele atributo na nossa personagem. Para além das armas, o jogador é brindado com um muito útil duplo salto, o qual permite aceder a locais outrora inacessíveis para nós.


Contudo, não apenas de tiros desenfreados vive este título. Rocketbirds tem uma forte componente de infiltração, backtracking e resolução de puzzles, uma vez que seremos chamados, por inúmeras vezes, a fazer uso do telemóvel (outro item do jogo) para guiarmos um "inocente" soldado inimigo pelo nível, de forma a que este último abra portas que estão vedados à personagem principal. Embora seja uma funcionalidade pouco vista em títulos do género, o uso do telemóvel e a consequente busca de rede vêem cortar o flow de um título que se pretendia ser energético.

A nível gráfico, este jogo da Ratloop prima pelas cores escuras e cenários pouco inspirados e repetitivos. Isso associado à inexistência de música durante grande parte do nível, tornam-no uma experiência bastante deprimente.


Rocketbirds 2: Evolution deixa a desejar, para fãs de títulos como Contra, Gunstar Heroes ou Metal Slug, no que à diversão e caos absoluto diz respeito,  mas ainda assim não é de todo um mau jogo. Ele beneficia de um replay value elevado, tal é a variedade de personagens e armas para desbloquear, assim como da experiência bastante positiva do multiplayer. Ponto a favor para o humor e a crítica social mordaz de Rocketbirds, assim como para a sua banda sonora, que apenas peca por escassa. Em suma, um jogo para jogadores em busca de um run and gun diferente.

PS: Este é um daqueles jogos que deve ser jogado com um comando, embora seja possível fazê-lo com o teclado.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo, gentilmente cedido pela Reverb Triple XP