Notícias

Análises

29 de novembro de 2016

Fairune 2


Sequela de um dos títulos "retro-style" mais celebrados dos últimos tempos, Fairune 2 mantém as mesmas características que tornaram o jogo original tão popular, acrescentado ainda mais conteúdo e com isso tempo de jogo. Trazido até nós pelos esforços colectivos da Circle, Skipmore e Urara-Works, este RPG coloca-nos na pele de uma silenciosa protagonista, incumbida por um livro mágico de resgatar as três fadas que protegem o mundo. Para conseguir fazê-lo, a nossa valente heroína deve vasculhar cada recanto do reino, evitando as perigosas criaturas que vagueiam por lá.

A heroína ostenta uma poderosa espada mágica, intitulada de Sword of Hope, que usará para derrotar os inimigos ao bom estilo da conhecida série Y's. Da mesma forma que nos primeiros jogos dessa série, também aqui a protagonista vence os adversários chocando contra eles. Contudo, deve-se ter cuidado com quem se choca, pois existem inimigos demasiado fortes para nós numa fase inicial. A nossa barra de experiência sobe a cada inimigo derrotado, permitindo-nos ficar mais fortes a cada confronto. Todavia, convém, salientar que inimigos mais fracos que nós não nos dão EXP. Isso reduz um pouco a possibilidade de se fazer farming (algo tão comum em RPGs).

   

Se por algum motivo formos vencidos em combate ou abatidos por uma qualquer armadilha, a nossa personagem é recambiada para uma espécie de caverna bastante soturna situada no "primeiro mundo". Para além da espada, a heroína tem ainda um escudo protector, o qual pouca utilidade tem, e um fragmento de Mana. Este último, se for activado junto a uma determinada planta, permite-nos encher a barra de energia, se esta estiver em baixo. Para além deste equipamento inicial, existem muitos outros itens que poderemos encontrar durante a nossa quest. Alguns deles serão essenciais para a nossa progressão (ID Card, Log ou Axe, por exemplo), outros nem por isso, como é o caso do dinheiro, que pode ser encontrado em inimigos ou simplesmente perdido na relva.

Este é um jogo com grande foco na exploração e na resolução de puzzles. Da mesma forma que em Zelda, também aqui podemos vaguear pela terra, explorando cada canto do mapa em busca das fadas perdidas. Normalmente cada um dos "mundos" encontra-se dividido em duas partes, a superfície e o subterrâneo. Apesar do mapa estar sempre presente, no ecrã inferior, é muito fácil perdermo-nos em Fairune 2, pelo que uma boa capacidade de memorização é essencial para levarmos esta empreitada a bom termo.


Um dos pontos positivos deste título está no uso que faz do humor. A forma como alguns NPCs são apresentados, assim com a própria história e outros pequenos detalhes, como o acrescentar de uma lápide com o nosso nome de cada vez que perdemos, só vêem acrescentar ao seu charme humorístico.
Um dos pontos negativos reside nos fraquíssimos adversários que nos surgem pelo caminho, assim com a inexistência de um boss ou de um vilão "épico" que nos prenda à aventura. Os seus gráficos e música simulam os da época dourada das 8-Bits e não poderiam ser mais coloridos ou animados, respectivamente. Fairune 2 consegue dar-nos a sensação de estarmos a jogar um título do final daquela era.

Um bom jogo, com as suas falhas é certo, mas um título a ter em conta, sobretudo para quem estiver à procura de uma aventura similar ao Zelda.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo