Notícias

Análises

14 de outubro de 2016

Severed


Severed constitui a mais recente proposta do DrinkBox Studios (autores de Guacamelee) para a 3DS e Wii U. Um dungeon crawler na primeira pessoa, ao estilo do clássico Shining in The Darkness, Severed coloca-nos na pele de uma jovem rapariga que acorda sozinha e sem parte do braço esquerdo, nas ruínas do que outrora fora o seu lar. A silenciosa protagonista depressa se apercebe que não só a sua família está misteriosamente ausente, como também o mundo à sua volta é estranho e diferente daquele que conhecia. Auxiliada por alguns habitantes mais benevolentes desta dimensão "demoníaca", a rapariga vai tentar resgatar a família, capturada por terríficas criaturas, e com eles regressar ao "mundo real".


Severed é um jogo com uma forte incidência na exploração minuciosa das masmorras, à la Zelda, uma vez que será isto que fará a história avançar. As ditas dungeons estão repletas de monstros para combater, armadilhas para evitar, puzzles para resolver e muitos itens para encontrar. Como forma de defesa e ataque, a nossa heroína conta com uma espada, que lhe é dada logo no início da aventura por um dos seus aliados. Na versão 3DS, utilizada para esta análise, a espada é controlada magnificamente via o estilete e permite-nos não apenas derrotar os monstros, como também cortar partes dos corpos destes. Por muito macabro que possa parecer, o domínio desta mecânica é essencial para fortalecer a nossa personagem. Para fazer o level-up da personagem devemos consumir as ditas partes...


Mesmo que não consigamos obter as partes a partir dos monstros, existe sempre a possibilidade de as "comprar" através do uso de um determinado número de pequenos frutos encontrados no interior dos muitos vasos existentes pelos níveis. Contudo, para aumentar a nossa barra de vida e de magia é necessário completar um coração e um cérebro, respectivamente, ao encontrar e juntar as partes dispersas pelos níveis. Severed tem uma grande variedade de inimigos, cada qual com uma maneira própria de ser derrotado. Isso não torna o jogo difícil, até porque assim que nos habituarmos à jogabilidade, que é bastante intuitiva, não teremos dificuldade em vencer qualquer adversário. Até mesmo os Bosses, uma vez descoberto o seu padrão de ataque, são relativamente fáceis de bater. 



Este é um título com muitos puzzles, cuja resolução não só nos permite avançar na história propriamente dita, como também desvendar os muitos segredos que contém. O backtracking é uma constante aqui e torna-se mais fácil não apenas pela existência de um mapa e de um autosave contínuo, mas sobretudo pela beleza dos cenários. Estes, de aspecto muito cartonesco e soturno, ao estilo de Samurai Jack, intensificam a sensação de solidão e desespero da protagonista. De igual modo, a música adequa-se perfeitamente a cada momento do jogo, nunca parecendo estar a mais.

O único senão de Severed está na sua curta duração. A aventura, que durara entre quatro e cinco horas, sabe a pouco e decerto que assim que concluirem este título sentirão o mesmo. Ainda assim esta é uma excelente proposta para a 3DS e Wii U, além de um óptimo jogo para a quadra festiva do Halloween. 
Nota: Esta análise foi efectuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.