Notícias

Análises

19 de outubro de 2016

Jotun: Valhalla Edition


Análise por Patrício Santos

Foi considerado pelos críticos como um dos melhores jogos indie de 2015, e em 2016 a Wii U recebeu a edição definitiva do jogo, Jotun: Valhalla Edition. Para começar a falar acerca deste jogo é necessário desde já mencionar que, se gostarem de mitologia nórdica, meus amigos, este jogo é para vocês! Um jogo que se baseia nesta mitologia onde a nossa personagem, que neste caso é feminina e de nome Thora, usa o seu elmo e machado com roupas típicas que nos fazem parecer um verdadeiro viking nesta aventura.

Assim que comecei o jogo ele deu início a uma introdução belíssima. O grafismo por exemplo, é todo ele feito em desenho à mão e devidamente pintado com cores ricas e vivas, notando-se assim os traços das personagens, e digo que está incrível, um jogo que apostou numa apresentação como poucos o fazem. Quanto à música, também ela nos faz regressar ao passado e a este universo da mitologia nórdica, o que me agradou imenso. Por fim, Jotun tem um narrador, e a língua que nos é apresentada ao longo da aventura é o islandês. Estes são os elementos mais importantes para nos sentirmos completamente rendidos ao universo de Jotun.


O jogo começa com o afogamento da nossa personagem. Depois é-lhe dada a oportunidade de ascender a Valhalla, desde que ela derrote os gigantes da versão nórdica do purgatório, ou seja, os bosses do jogo em cada um dos reinos que temos de ultrapassar para chegar a eles. Podem contar com bosses extraordinariamente gigantes quando comparados com Thora. Inicialmente vão contar com apenas dois ataques simples, um ataque normal e outro forte, no qual um será o simples para usar nos combates e o outro terá de ser usado para momentos específicos devido à força que tem. Além destes dois ataques vão desbloquear poderes, poderes esses como restaurar a saúde ou criar, por exemplo, uma ilusão da nossa personagem e esta após um determinado tempo explodir e assim derrotar uma carrada de inimigos enganados pelo nosso clone explosivo.

Uma vantagem nesta versão Wii U é o uso do Gamepad, onde podem aceder de forma fácil e eficaz a estes ataques mágicos, mas como ponto negativo enquanto experienciei o jogo, o mapa não tinha a localização da nossa personagem, logo tive de estar sempre atento por onde andava e depois sim localizar-me no mapa apresentado no Gamepad.


Os cenários pelo jogo fora estão agradáveis, inicialmente são mais impressionantes, depois podem ser um tanto vazios, mas nada que possa aborrecer o jogador, pois pelos níveis fora vão puder contar com ambientes gélidos, cavernas e florestas. Ao longo dos níveis vão poder encontrar a maçã dourada de nome Ithun, que vos fará aumentar a barra de saúde, o que é aconselhável fazê-lo pois alguns bosses podem ser ferozes se não tivermos uma barra de saúde grande. Não que os bosses sejam extremamente difíceis mas sim porque conseguem tirar-nos uma boa dose de saúde, pois após conhecerem os padrões de ataque deles, as coisas começam a ficar bem mais simples.

Algo a ser referido é o jogo estar com menus em Português, o que é sempre bom ver que a nossa língua começa a quebrar as velhas barreiras que antes existiam em qualquer jogo que fosse lançado. Não que o jogo conte com muitas opções, mas é sempre agradável ter o jogo na nossa língua.


Quando Jotun for terminado, vocês vão ter a possibilidade de voltar ao jogo e lutar contra os bosses num modo para jogadores experientes, por isso se quiserem um desafio ainda maior, recomendo jogarem esta versão pois é exclusiva da Valhalla Edition. Por fim, o jogo é uma aventura como poucas que podem encontrar nesta loucura dos indies, se procuram por um jogo de qualidade e que vos impressione, Jotun: Valhalla Edition é uma das melhores aquisições que podem fazer para a vossa Nintendo Wii U.
Nota: esta análise foi efectuada com base em código final do jogo para a Wii U, gentilmente cedido pela Nintendo