Notícias

Análises

6 de abril de 2016

Mario & Sonic at the Rio 2016 Olympic Games (3DS)


Chegou novamente a altura de celebrar os Jogos Olímpicos, o evento que a cada 4 anos (intercalado com os Jogos Olímpicos de Inverno) junta vários desportos num único local, reunindo os atletas de várias modalidades. Deste modo, o anúncio de mais um Mario & Sonic não apanhou ninguém de surpresa, mas contudo este novo título estreia-se em primeiro lugar na 3DS, e só depois é que terá a versão Wii U, lançada mais tarde este ano.


Desta vez o palco é o Rio de Janeiro, no nosso "país irmão" e terra do Samba, criando um autêntico festival cheio de música, festa e cor! Em si, o jogo é bastante simples, em que facilmente saltamos menus complexos e vamos quase diretamente para o que interessa: os mini jogos. Para que não sobrem dúvidas, estes são representados por 14 modalidades desportivas, onde até 4 jogadores podem disputar o primeiro lugar, arrecadar medalhas e conseguir os recordes mundiais.

As modalidades desportivas são bastante diversas, como Futebol, Boxe, Natação, Hipismo, entre outras, e todas elas têm controlos próprios, alguns que usam features da 3DS como o giroscópio e microfone, para além do ecrã tátil e os tradicionais botões. Embora algumas pareçam estranhas, durante a análise não encontrei quaisquer problemas ao usar os controlos, dando sendo uma experiência fluída e bastante acessível. Talvez tirando algum constrangimento, como mover a consola para a frente e para trás, enquanto estava num café, por exemplo.

No entanto, mesmo ao ter vários desportos diferentes cada um não é devidamente explorado. Talvez seja compreensível ser um conjunto de jogos acessíveis, eliminando barreiras de dificuldade, ao jogar uma vez esse modo, já vimos tudo o que tem para oferecer. Por exemplo, em Ginástica Rítmica temos à disposição 3 músicas apenas, e mesmo em modalidades como Ciclismo ou Hipismo contamos apenas com um percurso. Há uma grande falta de conteúdo quando entramos em cada uma das modalidades, por muito divertidas que sejam.


O jogo divide-se em 3 modos principais: "Road to Rio" e "Rio 2016 Quick Play" para um jogador, e "Versus Mode" onde até 4 jogadores podem participar. O Road to Rio acaba por ser o mais importante, uma aventura pelo Rio (ou parte dele) onde controlamos o nosso Mii, e temos de optar por um de 2 ginásios (Mario ou Sonic). Deste modo temos 2 histórias diferentes por escolher logo à partida, com uma progressão semelhante entre ambas, que tentam causar um grande mistério, mas depois acaba por se tornar desinteressante rapidamente. Em cada capítulo podemos ir a ginásios treinar em diversas modalidades, e desafiar personagens conhecidas e, após os vencer, desbloqueamos essa personagem para usar nos restantes modos.

Um ponto positivo encontra-se nos treinos, que servem principalmente para subir de nível, permitindo o nosso Mii usar equipamento com melhores estatísticas. Mas o interessante destas pequenas sessões de jogo é serem mini jogos diferentes do que nos modos principais: entre outros casos, ao treinar Badminton temos de receber ou esquivar-nos de volantes, em Natação temos sessões de controlo de respiração, soprando para o microfone, em vez competir contra outros jogadores. Existem vários mini jogos diferentes por explorar, distribuídos entre ginásios, e existem ainda modalidades desportivas não presentes nos restantes modos.

Temos também os Plus Events que nos recordam dos Dream Events de jogos anteriores, ao dar um toque extra aos desportos presentes. Lutar Boxe com itens especiais, praticar Arco e Flecha apontando para Bus com pontos, ou nadar enquanto evitamos ondas gigantes, torna-se uma experiência um pouco diferente da normal. Contudo falta-lhe aquele toque extra dos Dream Events, que transformavam quase por completo a experiência através de cenários de mundos Mario e Sonic, ou mecânicas mais próximas de séries como Mario Kart ou Tennis.


As personagens a desbloquear são imensas, bastante mais que nos jogos anteriores, e vários personagens que estavam apenas no cenário ou como rivais, em jogos anteriores, agora são jogáveis. Surgem novos atletas como alguns Koopalings ou vilões de Sonic Lost World, e mesmo clones como Dry Bowser e Eggman Nega marcam presença. Temos ainda imensa roupa, equipamento, chapéus ou até mesmo fatos completos para comprar em Road to Rio, dando imenso conteúdo também para o nosso Mii, e vesti-lo a rigor.

Todos estes personagens são jogáveis apenas nos modos Quick Play ou Versus, mas perante a grande quantidade esta torna-se muito reduzida ao apenas nos deixar escolher 7 personagens por modalidade, sendo que Mario, Sonic e Mii marcam presença em todas. O que por um lado faz sentido, e não cria situações estranhas como Metal Sonic a nadar, o leque de personagens torna-se reduzido (principalmente ao jogar a 4 jogadores) e não nos permite usar personagens específicos, e não podemos usar os nossos favoritos em todas as modalidades, logo que não sejam Mario, Sonic ou Mii.

Um dos pontos fortes do jogo, como esperado de um party game, é o modo Versus, onde é apenas preciso um cartucho para jogar localmente. É bastante prático começar logo a jogar, e embora não crie grandes emoções de jogo, como em Mario Kart ou Super Smash Bros., é um jogo divertido para jogar em grupo. É bastante fácil partir logo para os mini jogos, em que a velocidade que demoramos a começar muda dependendo do desporto escolhido, pois cada um descarrega individualmente, em vez do jogo na totalidade uma vez só. Ainda relativamente ao multi jogador, mesmo que seja um jogo feito a pensar em sessões de jogo locais, peca pela ausência de um modo online.


Visualmente o jogo está bem conseguido, com personagens bastante detalhadas e cenários coloridos, pecando apenas no aspeto das áreas que percorremos no Rio, ou nas plateias que surgem muitas vezes estáticas ou em close-ups menos felizes. Geralmente o jogo é bastante fluído, fora algumas situações de câmara lenta que simplesmente reduz imenso o frame-rate. No campo da banda sonora, o jogo peca bastante ao ter músicas muito repetitivas, e fora alguns temas bastante mais alegres que dá uma boa dinâmica ao jogo, dentro de várias modalidades a música repete-se demasiado.

Outro ponto negativo é a falta de localização do jogo para português, já que o mesmo se passa, bem, no Brasil. Contudo existem alguns elementos no jogo, escritos na nossa língua, como é o caso dos letreiros a dizer "ginásio" ou vários objetos que vamos encontrando, que estão escritos em português. Mas esta foi uma oportunidade perdida de apostar numa localização quer para Portugal, como para o Brasil, e sendo um party game a aposta era segura.


É bastante fácil sentir fatiga na série Mario & Sonic, contudo este novo jogo é uma surpresa algo agradável e bastante mais interessante que os últimos Jogos Olímpicos de Inverno. Facilmente pegamos no jogo e temos partidas rápidas, quer sozinhos ou com amigos, com 14 desportos à disposição, e juntamente com os Plus Events ainda conseguimos tirar partido do jogo. Talvez a versão Wii U possa ser mais interessante, explorando melhor os desportos (juntamente com modalidades exclusivas), mas para partidas rápidas em qualquer lado, esta versão pode garantir umas boas sessões de jogo.


Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.