Notícias

Análises

10 de novembro de 2015

Lisboa Games Week 2015


Decorreu no passado fim de semana a segunda edição da Lisboa Games Week, que contou pela primeira vez com a participação oficial da Nintendo e um stand onde, ao longo dos 4 dias, decorreram várias atividades dedicadas aos fãs da empresa. Sendo o maior evento em Portugal dedicado ao universo dos videojogos, a equipa do Meus Jogos DS não poderia faltar!

Enchendo um pavilhão da FIL, a Lisboa Games Week (LGW) tornou-se um ponto de passagem obrigatório para os fãs de videojogos em Portugal, onde é possível observar a grande diversidade que há dentro da comunidade – desengane-se quem ainda pensa que há um estereótipo de "gamer", pois hoje em dia esta forma de entretenimento abrange todas as idades e ambos os géneros. E se o público é diversificado, também são os seus gostos, o que se pode atestar pelas enormes filas que havia para todo o tipo de experiências do evento. Enquanto fã das consolas, foi um prazer entrar no recinto e deparar-me logo com os expositores da PlayStation e da Nintendo. A LGW contou também com a presença de vários criadores de videojogos nacionais a apresentar os seus projetos no recinto, uma indústria em crescimento no nosso país e com produtos de cada vez mais qualidade, a mostrar que mesmo em tempos de crise é possível ser-se bem sucedido em Portugal.


Um evento desta dimensão só poderia resultar numa enchente, especialmente durante o fim de semana, e naturalmente filas gigantescas para experimentar jogos e produtos que ainda não chegaram ao mercado. Nesse aspeto, a PlayStation e a Nintendo tiveram abordagens muito diferentes ao evento. Enquanto a primeira tinha o maior expositor com uma área de torneios e várias secções dedicadas a diferentes jogos, com grande destaque para o Uncharted 4 e o novo PlayStation VR, a Nintendo apostou tudo num simples palco com ecrã gigante onde, ao longo dos 4 dias, decorreram múltiplos torneios em jogos da empresa. Uma desilusão para quem foi à procura de demos de futuros lançamentos da Nintendo como Xenoblade Chronicles X, Mario Tennis Ultra Smash ou Star Fox Zero, especialmente ao ver ao lado a grande aposta da PlayStation em mostrar novidades. Por outro lado, os desafios do Super Mario Maker no ecrã gigante eram sempre eficazes em agarrar o público a ver se alguém conseguia ou não passar o nível em questão. Granças à quantidade de fãs da Nintendo que por lá passaram, foi também uma boa oportunidade de completar alguns puzzles do StreetPass na Nintendo 3DS.

No final do evento, pedimos ao Jorge Vieira, representante da Nintendo em Portugal, algum feedback sobre a participação da empresa e se tencionam voltar no próximo ano. A resposta foi bastante animadora:

"O nosso grande objetivo era levar a diversão dos jogos Nintendo entre família e amigos ao LGW e isso foi plenamente conseguido. Tivemos filas enormes para jogar no palco Nintendo e momentos memoráveis como os desafios no Super Mario Maker ou as batalhas em equipa entre YouTubers e fãs! Foi também formidável ver muitas famílias a visitarem a zona Nintendo, com pais e filhos a divertirem-se em conjunto, uma autêntica passagem de testemunho entre os mais velhos e mais novos.
Quanto ao futuro, ficámos muito satisfeitos com os resultados obtidos nesta segunda edição do LGW, pelo que estará sempre em cima da mesa a possibilidade de repetirmos presença em futuras edições do evento."


O grande destaque da LGW 2015, no entanto, vai para as diferentes experiências de Realidade Virtual (VR) em exibição, prometendo um arranque em força da tecnologia no ano de 2016. Embora houvesse vários jogos e dispositivos no evento, o único que tive oportunidade de experimentar foi o PlayStation VR com a demo The Deep. Esta demo não tinha qualquer interatividade além do ângulo de câmara, mas ainda assim foi uma óptima experiência. Já tinha anteriormente experimentado um vídeo em VR num modelo antigo do Oculus Rift, pelo que queria perceber o quão evoluída estaria agora a tecnologia, tendo tido uma agradável surpresa. Ao colocar o capacete do PS VR, consegue ver-se a grelha de pixels na imagem apesar da já elevada resolução. Porém, assim que a demo inicia, essa percepção desaparece, ficando uma imagem bastante nítida e de grande qualidade. A demo é bastante imersiva, com o utilizador no papel de um mergulhador numa jaula de proteção que vai descendo às profundezas do oceano. A qualidade da imagem e especialmente do áudio fazem com que facilmente uma pessoa se esqueça que não está lá dentro, mesmo quando se olha para baixo e não se consegue ver os pés. É realmente uma experiência única e que mostra já um grande potencial, mas que só mesmo utilizando se consegue perceber.

Num evento como este, não podia faltar uma forte componente social, com várias apresentações e conferências no auditório organizado pelo Salão de Jogos, oportunidades dos fãs dos YouTubers conhecerem os seus ídolos e, naturalmente, imenso cosplay. Contagiados pela febre do StarWars, não faltaram Jedis e alguns Sith, pelo meio de personagens anime e ainda fãs da Nintendo vestidos de Mario, Luigi e até a Lucina do Fire Emblem. Acima de tudo, o Lisboa Games Week é um excelente espaço de convívio para os fãs de videojogos, no qual tenciono participar durante os próximos anos e até merece a reserva de um dia de férias para evitar as enchentes e filas do fim de semana.