Notícias

Análises

4 de novembro de 2015

Chibi-Robo! Zip Lash


A caminho dos seus 10 anos, a série Chibi-Robo! sempre foi bastante desconhecida, muito devido à falta de jogos lançados na Europa, que depois da sua estreia na Game Cube só voltou a ser recebida cá através de Chibi-Robo! Photo Finder. A série está agora de regresso num novo jogo de plataformas, dando alguma atenção ao personagem que muitos conhecem sendo um troféu de Super Smash Bros.!

Desta vez o pequeno herói robótico, de 10 centímetros apenas, tem como objetivo enfrentar criaturas alienígenas que estão a roubar coisas na Terra. A premissa é bastante simples, servindo como base para todo um conjunto de objetivos ecológicos que temos pela frente, entre eles recolher lixo que depois conseguimos converter em moolah, a moeda do jogo.

Este novo capítulo foge aos jogos 3D para apostar num mais tradicional jogo de plataformas, com níveis com bastantes segredos a explorar e diversos inimigos e armadilhas a enfrentar. A cada área nova visitamos uma parte diferente do mundo, com 6 níveis diferentes a explorar que, depois de os completar todos, temos uma luta contra o boss da região.

Para enfrentar todos estes desafios temos as duas habilidades principais através do Chibi-Plug, uma extensão que sai de Chibi-Robo: o Whip Lash para ataques mais rápidos, e o Zip Lash para lançar o Chibi-Plug mais longe, sendo possível fazer ricochete pelas cenários. Para além de atacar inimigos podemo-nos prender a pontos específicos do cenário, apanhar itens ou ainda usar o Zip Lash para flutuar um pouco. Podemos ainda rebolar, ou até mesmo carregar Chibi-Robo com poderes, como o de ficar em chamas (e queimar tudo o que toca) ou em gelo, congelando tudo enquanto faz patinagem.

O alcance que tanto Whip como Zip Lash conseguem atingir volta sempre à estaca zero no início de cada nível, e para aumentar o mesmo temos de apanhar pontos que surgem em fartura nos níveis. Talvez seja interessante por haver uma certa progressão em cada nível, mas rapidamente nos esquecemos que existe esse alcance, pois dificilmente nos deparamos com um bloqueio por não conseguimos chegar a certos pontos do nível.

Chibi-Robo não viaja sozinho, e acompanhando-o sempre na sua nave (que também é sua casa) está Telly, um assistente robótico que nos dá dicas sobre o jogo. Infelizmente não vem com um botão "Mute" pois, para além da sua voz algo irritante, repete muitas vezes algumas dicas, como a que temos sempre que concluímos um nível.

Existem muitas coisas a apanhar nos níveis, desde moolah, lixo, Big Coins que funcionam como medalhas e ainda Chibi-tots perdidos, que temos de capturar. Outros itens colecionáveis são os Snacks, guloseimas tiradas do mundo real que mais parecem autênticas relíquias encontradas num planeta extraterrestre. Estes Snacks são maioritariamente da cultura japonesa, havendo algumas excepções que reconhecemos, como por exemplo os doces PEZ. Para além de serem mais um coleccionável, existe um personagem extremamente guloso que tem interesse nos mesmos, que nos vai pedindo Snacks específicos.

Temos ainda pequenos aliens para resgatar, que temos de os levar para uma zona específica do nível para chamar uma nave, de modo a os entregar. Para além do som estranhamente satisfatório que fazem, enquanto os rodamos no ar, somos recompensados com roupas para vestir o nosso Chibi-Robo a rigor. Existem fatos são fan-service, e que nos facilmente nos leva a querer obter os fatos todos.

A jogabilidade é divertida, embora o jogo nunca apresente um desafio, e poucas vezes vemos o ecrã de Game Over. Existem ainda alguns puzzles bastante simples de resolver, e que Chibi-Robo reage sempre com grande felicidade ao concluir, mesmo que seja premir dois botões, apenas. No final de cada nível temos um trio de OVNIs que, quanto mais pequeno for mais hipóteses temos numa roda da sorte, sem dúvida o pior elemento presente neste jogo.

Esta roda da sorte, ou "Destination Wheel", é o que nos faz avançar entre níveis dentro da cada área. Estes níveis estão distribuídos num círculo, e o número que nos sai são os passos que damos, numa espécie de jogo de tabuleiro. Se por acaso o número que nos sair nos levar para um nível que já concluímos, temos de o repetir, sem ter uma opção de avançar de nível sequer. É possível comprar peças para a roda, de modo a aumentar a probabilidade de números que queremos dar, e o mais certo é querer sempre o número 1, para avançar corretamente. Nunca sair um número baixo numa roda da sorte trouxe tanta felicidade!

Nem todos os níveis são simples jogos de plataformas, alguns levam-nos a andar a toda velocidade num skate, voar através de balões de hélio ou até mesmo surfar na água. Existem ainda pequenos níveis especiais escondidos, ao estilo dos jogos de plataformas mais tradicionais, onde temos de apanhar um conjunto de moedas antes que o tempo termine. Felizmente, após concluir uma zona podemos escolher níveis específicos para repetir, ideal para completar todos os níveis.

Há ainda mecanismos que dão alguma diversidade aos níveis, e ainda a tentativa de criar alguma exploração, mas que acaba por ser bastante básica. São pontos que podiam ter sido melhor explorados no decorrer dos níveis. Habilidades como a de flutuar ou até mesmo rebolar são usadas poucas vezes (por vezes quase que nos esquecemos que elas existem), ou até mesmo as habilidades que mudam Chibi-Robo, por exemplo, podiam ter mais presença.

Este jogo tira ainda partido das figuras amiibo, com especial atenção a amiibo de Chibi-Robo, lançada juntamente com o jogo, e que infelizmente não tive a oportunidade de explorar ao testar o jogo. Contudo a sua funcionalidade centra-se em poder subir de nível à amiibo, e desbloquear também a função Toy Capsule. O jogo é ainda compatível com as outras figuras amiibo, mas tal serve apenas para ganhar moolah.


Dificilmente Chibi-Robo! Zip Lash será o jogo que vá criar fãs da série, mas acaba por mostrar bem quem é o personagem e de que se trata a sua aventura: uma luta por um mundo limpo e livre de lixo. A aventura acaba por parecer mais a exploração do que derrotar os aliens, pois constantemente lutamos contra outras máquians, mas ainda assim temos um bom fio condutor até o final de cada nível. Algumas escolhas bastante infelizes tiram valor ao jogo, mas fosse melhor aproveitado poderia ser um regresso melhor recebido de Chibi-Robo.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.