Notícias

Análises

27 de agosto de 2015

Devil's Third


Devil's Third é um jogo com uma história de desenvolvimento bastante atribulada. Uma ideia do lendário criador Tomonobu Itagaki, responsável pela série Ninja Gaiden, originalmente planeada para as consolas PS3 e Xbox 360 que acabou por ser lançada em exclusivo para a Wii U, passou por três motores de jogo diferentes ao longo de 5 anos até chegar às lojas. Mas terá valido a pena insistir no desenvolvimento de um jogo que parecia não querer acontecer?

Este título divide-se em duas componentes principais, uma que é uma aventura de ação para um jogador, a outra uma vertente multijogador online com diferentes modos à disposição. Ambas assentam numa jogabilidade que tenta conciliar o combate físico na terceira pessoa com disparos na primeira pessoa, mas falha em oferecer uma transição fluida entre ambos. Os controlos não são um problema em si, mas a ideia simplesmente não funcionou como esperado, sendo quase sempre mais fácil disparar cegamente do que arriscar um combate de proximidade com alguém havendo outros inimigos no local. À exceção do modo de história, que em certos momentos exige a utilização das armas físicas, é quase sempre melhor ideia considerar Devil's Third como qualquer outro "shooter", embora a sua ambição fosse ser um inovador jogo de ação.


Se a jogabilidade não é nada de especial, o que resta ao jogo não é muito melhor. A nível gráfico, percebem-se os problemas com o desenvolvimento e as mudanças de plataformas e motor de jogo, com texturas de baixa qualidade e visuais bastante datados. Isto poderia não ser muito importante, se a arte do jogo se destacasse, mas tirando raras exceções até os cenários são bastante genéricos e pouco interessantes. A história é bastante sofrível, o que até poderia ser um factor divertido por ser tão exagerada (veja-se o quão absurda é a história de Bayonetta), mas simplesmente não tem por onde pegar. Ivan é um criminoso que combate os seus ex companheiros do crime, mas não há aqui vinganças à Tarantino: apenas diálogos vazios e alguns clichés.

Jogar o modo de história é uma missão penosa, como percorrer uma estrada no deserto que não leva a oásis nenhum. Já o modo multijogador é um pouco mais interessante, especialmente para quem apreciar jogos de tiros online e só tiver uma Wii U à disposição. Há muitos modos à escolha, embora durante o processo de análise só tenha sido possível experimentar alguns deles devido à falta de jogadores - embora o jogo esteja já disponível no Japão, os servidores são regionais, pelo que apenas se encontravam outros analistas a jogar. A experiência que tive a jogar foi bastante genérica, mas pelo menos repleta de ação: procurar e abater os elementos da equipa oposta, sendo abatido o menor número de vezes possível. A jogabilidade é intensa e requer bastante perícia, não sendo muito acessível a jogadores novatos, uma caraterística que poderá ser apreciada pelos mais "hardcore".


A componente online é a que oferece maior potencial em Devil's Third. No entanto, devido à baixa qualidade do título em geral, é difícil recomendar a compra com base apenas na vertente multijogador. É também difícil antever a popularidade deste jogo, que alguns até poderão considerar "tão mau que é divertido" (embora nem isso seja), mas que poderá ter um enorme impacto na possibilidade de se realizar partidas online. Ainda assim é o lado melhor desenvolvido do título e deve ser experimentado pelos fãs do género, que infelizmente é escasso em títulos na Wii U.

É uma pena que este jogo, o primeiro do estúdio criado por Itagaki após ter abandonado a Tecmo em 2008, tenha sofrido um percurso tão atribulado. A certo ponto, a equipa deve ter pensado que mais valia "despachar" o material que tinha do que perder mais tempo em torno destes conteúdos. Há ideias interessantes e uma missão nobre de fundir ação na terceira pessoa com "shooter" na primeira. Há até um modo multijogador com um vasto leque de opções e algum potencial. Mas há também um grande número de problemas técnicos e a sensação de falta de inspiração para o que poderia ter sido um título de ação bastante aceitável. O conjunto não funcionou e resultou num jogo que, mais do que difícil ou frustrante, é aborrecido e desinspirado.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Wii U, gentilmente cedido pela Nintendo.