Notícias

Análises

16 de março de 2015

Mario Party 10


Nascida na Nintendo 64 em 1998, a série Mario Party trouxe a diversão dos jogos de tabuleiro ao Reino do Cogumelo, mudando para sempre as festas do Mario e seus amigos. Desde então, não há uma festa do Super Mario digna desse nome sem uma boa dose de minijogos, amizades arruinadas e, claro, o Bowser para estragar a festa. Depois de Nintendo Land e Wii Party U, Mario e companhia regressam agora à Wii U com uma nova coleção de minijogos e jogos de tabuleiro.

Mario Party 10 é a primeira incursão da série na Wii U mais de um ano depois do lançamento de Wii Party U, dos mesmos criadores. Uma referência importante, visto que ambos são "party games" com conteúdos para 1 a 4 jogadores, embora o novo Mario Party inclua também um modo para 5 jogadores. Enquanto Wii Party U oferecia minijogos dinâmicos e modos muito distintos para agradar a todos os tipos de jogadores, a experiência no novo jogo é um pouco mais tradicional dentro do género, mesmo trazendo novas ideias para a mesa como os modos "Bowser Party" e "amiibo Party".


O modo principal deste novo título tem o nome de Mario Party e consiste numa variante do jogo da glória onde todos os jogadores avançam em simultâneo, determinando-se o vencedor pela pontuação obtida individualmente ao longo do jogo, em sessões que duram cerca de 30 minutos. O jogo inclui diversos tabuleiros temáticos, com diferentes ambientes e mecanismos inspirados no universo de Super Mario, embora o funcionamento global seja essencialmente o mesmo. Existem casas de sorte, casas de azar e casas que dão início a um minijogo, que pode ser do tipo " todos contra todos", por equipas dois a dois ou então joga um contra os outros. O objetivo é sempre o de colecionar miniestrelas para vencer a competição. Há ainda minijogos especiais em todos os tabuleiros onde todos têm de cooperar para derrotar um boss, embora mesmo aí exista competição pelo melhor desempenho.

É um modo ligeiro e divertido, que mistura destreza e sorte numa fórmula que muitas vezes origina frustrantes, embora cómicas. Algo que se torna muito mais provável se o Bowser for libertado da prisão (quando os jogadores lançam todas as faces do dado), espalhando assim múltiplas casas de azar no tabuleiro. O jogo é também um pouco condescendente com o jogador em último lugar, dando um incentivo perto da recta final que lhe permita tentar acompanhar os restantes. Há ainda uma opção, transversal a todos os modos, que permite praticar os minijogos antes de jogar "a sério", para reduzir um pouco a vantagem aos jogadores mais experientes. Embora promova uma certa rivalidade entre todos, não é um jogo demasiado sério e adequa-se a uma tarde bem passada com amigos em casa.


O modo Bowser Party é uma variante do principal que acaba por se mostrar bem mais divertida que o original. Este é um jogo "todos contra um" que junta 4 personagens e os coloca contra o vilão Bowser, que pode ser controlado por um jogador no GamePad. O jogo decorre em alguns dos tabuleiros criados para o modo Mario Party, onde a Equipa Mario tem como objetivo alcançar a meta e Bowser deve fazer tudo o que tem ao seu alcance para os impedir. Em cada turno, cada jogador da Equipa Mario irá lançar um dado e fazer com que todos avancem no tabuleiro, obtendo os efeitos das casas em que vão parar. No final, o Bowser lança quatro dados em simultâneo para os alcançar. E se o fizer... Minijogo!

Cada personagem tem um número de vidas que deve defender. Bowser irá tentar colocá-los fora de jogo acabando com todos os seus corações, em minijogos controlados com o GamePad, enquanto os restantes jogadores fazem os possíveis por sobreviver olhando para a televisão. Embora muitos destes minijogos dependam da destreza, há também alguns cujo desfecho é meramente uma questão de sorte. A estratégia do Bowser é também importante, podendo focar-se em eliminar primeiro certos adversários mais fortes, ou então ir gradualmente reduzindo as vidas a todos para culminar num massacre em que todos são eliminados de uma vez. Seja como for, quem joga com o Bowser está destinado a arruinar algumas amizades.

O que acontece no tabuleiro é também muito importante, pois é aqui que está o ténue equilíbrio entre as equipas que levará todos a gritar "injustiça!!!" e lançar olhares furiosos ao adversário. Por exemplo, Bowser terá sempre uma segunda tentativa de lançar os dados caso não esteja satisfeito com o primeiro lançamento, e pode também em certas ocasiões armadilhar o tabuleiro ou induzir os heróis em erro. Por outro lado, a Equipa Mario pode receber dados especiais dos jogadores eliminados ou cair em casas que permitem adquirir corações extra, trazendo de volta os mesmos. Basta que um sobrevivente consiga chegar à meta para que a equipa seja vencedora e, muitas das vezes o resultado do jogo só é determinado a meras casas da meta, caso vença o Bowser, ou por um mínimo de corações no caso contrário.

É um modo intenso e que depende mais da experiência dos jogadores, mas é o mais divertido do jogo e ainda uma óptima ideia que tira partido das características da Wii U. Se tivesse mais tabuleiros e outras variantes, podia mesmo dar o nome ao jogo e criar uma ramificação da série com uma natureza mais competitiva. Caso para dizer que o Bowser é mesmo hardcore!


Finalmente, outra grande novidade deste Mario Party 10 é o amiibo Party, que integra a plataforma de figuras interativas da Nintendo e é compatível com 9 personagens do universo Super Mario, nomeadamente Mario, Luigi, Peach, Toad, Yoshi, Wario, Rosalina, Donkey Kong e, claro, o vilão Bowser. Para jogar este modo, é necessário ter pelo menos uma destas figuras, que será usada na escolha do tabuleiro de jogo e servirá como peão do jogador. Quem não tiver um amiibo irá jogar com uma figura recortada em cartão, sem poder usar as medalhas equipáveis dos amiibo.

O jogo funciona com qualquer dos amiibo referidos em modo de leitura, mas se o jogador optar por guardar os dados do tabuleiro terá algumas vantagens como poder personalizar o aspecto da base do amiibo no jogo, começar a partida com um poder equipado ou adquirir tabuleiros de outras personagens para selecionar no início de cada sessão. Os itens equipáveis podem ser adquiridos durante o jogo e são usáveis a partir do turno seguinte, podendo ter múltiplos efeitos tais como lançar 5 dados de uma vez, encher o tabuleiro de moedas ou mudar de posição, por exemplo.

Este modo é particularmente parecido com o Mario Party original, lançado para a Nintendo 64, onde os peões vão dando voltas ao tabuleiro e colecionando moedas que permitem comprar estrelas, ganhando no final quem tiver mais estrelas. Em cada ronda, todos participam num minijogo do modo Mario Party para tentar ganhar moedas e assim ter alguma vantagem. Caso alguém utilize o amiibo do Bowser, os minijogos serão trocados pelos do modo Bowser Party e a experiência de jogo será um pouco diferente. Será que ninguém gosta do Bowser, ou todos querem ser o Bowser?

Os tabuleiros são diferentes de personagem para personagem, reflectindo as suas personalidades, mas só algumas casas especiais é que diferem e alteram a experiência de jogo. Por exemplo, uma casa especial do Wario dá dinheiro a todos os jogadores só por passarem lá, a equivalente no tabuleiro do Bowser sorteia o número de casas de azar existentes. A utilização das figuras é um mecanismo interessante mas que rapidamente se pode tornar cansativo. Em todas as ações que envolvam dados ou roletas, é preciso encostar o amiibo ao GamePad, embora não haja nenhuma razão técnica para o fazer a não ser justificar uma utilidade para as figuras. Poderiam ter optado por algo mais simples como usar o amiibo para tomar posse do GamePad e controlar as ações a partir daí, fazendo do amiibo um identificador pessoal. Da forma que está feito, seria preferível substituir a maioria das ações com as figuras por um simples premir do botão A.


Uma boa característica deste jogo foi o cuidado com toda a apresentação gráfica e as animações em particular. Por todo o jogo existem pormenores deliciosos que enriquecem a experiência, aliados a uma banda sonora subtil que vai marcando o passo seja nos tabuleiros ou nos minijogos. O modo amiibo Party é particularmente impressionante a nível visual, com tabuleiros que parecem mesmo um jogo físico que se poderia comprar nas lojas, como se só a tecnologia atual estivesse a impedir a Nintendo de projetar o tabuleiro do jogo numa mesa onde os amiibo seriam realmente os peões.

Mario Party 10 é um jogo divertido para toda a família e que oferece várias opções desde curtas sessões em Mario Party ou mais longas com os amiibo, ou então mais intensas com o Bowser Party. O jogo concorre diretamente com Wii Party U e oferece uma experiência mais coesa, embora menos diversificada no tipo de actividades. Surpreendentemente ou não, Bowser acaba por ser o herói ao provar que sabe estragar uma festa como mais ninguém!