Notícias

Análises

26 de novembro de 2014

Super Smash Bros. for Wii U


Desde o lançamento do primeiro Super Smash Bros. para a Nintendo 64 que a série passou a ser um marco obrigatório nas consolas domésticas da Nintendo, aquele jogo que está automaticamente anunciado pelo simples facto de se apresentar uma nova consola. O que começou por ser um jogo de luta que misturava alguns dos principais personagens da Nintendo, rapidamente se tornou uma celebração da história da empresa à qual até antigas rivais se quiseram juntar. Hoje em dia é possível tirar teimas de velhas discussões e confrontar na arena grandes heróis como Mario, Sonic, Pac-Man e Mega Man.

Pela primeira vez, o novo "Smash" chega em duas versões diferentes, para consola portátil e consola doméstica, apresentando-se como uma geração de jogos e não apenas duas iterações. Depois do lançamento de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS, que já por si se pode considerar uma boa evolução da série, chega agora Super Smash Bros. for Wii U aproveitando as mesmas bases e expandindo largamente o que as melhores expetativas poderiam prever!

O modo Smash é o elemento central de qualquer SSB, onde até quatro jogadores combatem numa arena com o objetivo de arremessar os adversários para fora do ecrã. A jogabilidade é muito simples, com um botão direcional aliado a um de ataque normal e outro especial, que variam consoante as direções, mas ao mesmo tempo bastante técnica e complexa, com as combinações de ataques aliadas à utilização do botão de escudo e de agarrar e as caraterísticas únicas de cada personagem. Ao atacar um personagem, a sua percentagem irá subir, o que significa que será projetada para mais longe quando leva com um ataque forte e assim corre maior risco de sair do ecrã e perder uma vida.

Ao mesmo tempo, este é um "party game" acessível a qualquer grupo de amigos e um jogo de luta intenso para os fãs de jogos mais hardcore. Poucos jogos conseguem quebrar a barreira entre os jogadores ocasionais e os mais dedicados de forma tão exemplar. Na Wii U, apresenta um impressionante grafismo em 1080p onde os personagens se movimentam com uma fluidez de 60fps, para que não exista qualquer desfasamento entre as decisões do jogador e o que acontece no ecrã. Os personagens são bastante detalhados e com animações muito fiéis ao que se pode esperar de cada um, sejam os de maior exposição como o Mario ou Link ou os mais obscuros como o Marth ou Captain Falcon (também grandes veteranos da série).

Entre as novidades do jogo está um vasto leque de personagens já introduzidos nesta geração com a versão 3DS e cenários completamente novos além de alguns clássicos que regressam. Agora há cenários com um efeito de gravidade especial, baseados nos jogos Super Mario Galaxy e Sonic Lost World, um cenário com 2 níveis de profundidade inspirado em Donkey Kong Country Returns e até alguns com a presença de bosses como o Ridley, que surge num cenário de Metroid. Tal como na versão 3DS, todos os cenários têm uma versão "Destino Final" com apenas uma arena plana sem quaisquer obstáculos ou plataformas adicionais, para os apreciadores de combate puro e duro. No entanto, apenas alguns permitem combates com mais de 4 jogadores.

Como assim? É que a grande novidade deste modo Smash é que agora permite combates até 8 jogadores no modo apropriadamente chamado de "Smash a 8". Pela primeira vez na série, aqueles amigos que ficavam apenas a ver jogar podem juntar-se ao grupo, bastando para isso ligar mais comandos, sendo que não faltam opções de controladores: o jogo é compatível com todos os comandos da Wii e Wii U, mas também com o excelente comando da GameCube através de um adaptador (permitindo um total de 8 comandos GC com 2 adaptadores) e até mesmo a Nintendo 3DS! É possível ligar até 8 consolas Nintendo 3DS desde que estejam a correr a versão 3DS do SSB, uma funcionalidade útil quando faltam comandos ou o jogador esteja mais habituado a esses controlos.

Sendo realista, será muito difícil para a maioria dos jogadores juntar mais 7 amigos com quem jogar, mas o caos que se instala mesmo quando há CPUs adversários é uma experiência completamente nova. Outra particularidade deste modo é que permite os quatro jogadores "tradicionais" de SSB experimentarem uma nova modalidade: jogar em equipa com um amiibo cada um, perfazendo assim os 8 personagens na arena. Os desafios de cada combate dependem apenas da vontade dos jogadores, mas é particularmente interessante a ideia de contestar quem faz a melhor dupla com o seu amiibo preferido. Naturalmente, 8 jogadores também poderão colocar apenas as suas figuras amiibo em combate e descobrir qual foi melhor treinado. Tanto lutadores humanos, como CPUs e figuras terão lugar nos combates Smash que (neste caso apenas os humanos) assim decidirem.

As figuras amiibo são a grande novidade da Nintendo em 2014 que se estreiam a par deste SSB para a Wii U, consistindo em figuras com capacidade NFC (semelhantes aos populares Skylanders) e compatíveis com múltiplos jogos da Wii U e, futuramente, também da Nintendo 3DS - incluindo o SSB da consola portátil. Com um simples toque no GamePad, o amiibo ganha vida em SSB e permite criar um personagem personalizado correspondente à figura. Ao combater no modo Smash, as figuras irão ganhar experiência e aprender com o estilo do jogador, adaptando-se e evoluindo a cada combate. Por exemplo, um amiibo irá correr rapidamente para apanhar os itens se os jogadores que o enfrentam costumam utilizar muitos, ou então utilizar o escudo se foi treinado por jogadores mais defensivos.

Além disso, os itens equipáveis na personalização dos personagens "normais" passam a ser consumíveis e acumuláveis no caso dos amiibo, efetuando alterações permanentes nas suas estatísticas. O resultado é que cada uma destas figuras se torna uma personagem única com uma ligação especial ao jogador, talvez o mais próximo com o conceito de treinar um pokémon que existe na "vida real". O amiibo não é um personagem jogável, mas não deixa de ter um vínculo único ao seu treinador, pelo que fará bastante sentido confrontá-los com os amiibo de outros jogadores ou combater em equipa, como já referido. O importante é que, no fim de cada sessão de jogo, se volte a tocar com as figuras no GamePad para guardar os dados atualizados, já que os amiibo também aprendem e evoluem com essas vitórias e derrotas. Caso o jogador prefira combater com o seu personagem customizado, terá sempre a possibilidade de criar personagens Mii ou editar os "normais" da mesma forma que já acontece no SSB para a 3DS, com 12 ataques diferentes à escolha para cada um e ainda as melhorias equipáveis.

Super Smash Bros. está recheado de modos de jogo para além do típico "Smash", incluindo uma novidade para até 4 jogadores chamada de Mundo Smash, um jogo de tabuleiro onde cada participante tenta colecionar personagens e melhorias, com pequenas partidas Smash pelo meio de alguns turnos, preparando-se assim para um combate final que determinará o vencedor e desbloqueará bastantes recompensas. Quem preferir minijogos, irá encontrar no estádio atividades como o Basebol Smash, com um modo cooperativo para 2 jogadores ou competitivo até 4, ou o Rebente os Alvos, onde 4 jogadores podem jogar uma espécie de "Angry Birds" do Smash.

O menu do jogo é um pouco estranho, deixando para a opção de "Extras" quase todo o conteúdo que tem para oferecer, incluindo os modos de jogo a solo e as respetivas variantes em grupo. Para 1 ou 2 jogadores, destaca-se o modo Clássico, uma sequência de combates com dificuldade ajustável no início da sessão, que culmina com o confronto contra a Mão Mestra e ainda a Mão Maníaca em graus de dificuldade superiores. Já o modo Lendas Smash consiste num combate contra todos os personagens do jogo, organizados cronologicamente do mais recente até ao mais antigo, sem que se tenha a hipótese de perder uma vida sob pena de perder tudo.

O único modo exclusivo para um jogador chama-se Ordens Especiais e apresenta desafios para qualquer personagem. O grau de dificuldade varia com as diferentes "Ordens da Mão Mestra", que consistem em combates com regras específicas, como por exemplo derrotar vários inimigos sem perder uma vida. As "Ordens da Mão Maníaca" expandem este conceito e exigem um preço de entrada muito elevado ou então um bilhete especial de participação. Aqui, o jogador terá de enfrentar vários desafios dentro de um tempo limite, podendo terminar a qualquer momento bastando-lhe enfrentar a Mão Maníaca. No entanto, se deixar o tempo acabar ou for derrotado, irá perder todas as recompensas que foi acumulando.

Já o modo Eventos apresenta um conjunto de desafios que normalmente têm personagens pré-definidos e que devem ser ultrapassados para desbloquear os desafios seguintes. Geralmente, estes são temáticos e mais parecidos com missões. Por exemplo, num dos desafios, Mario deve derrotar os seus grandes rivais Mario e Donkey Kong em combate. Este modo conta ainda com uma opção para 2 jogadores, que consiste em eventos completamente distintos dos exclusivos para apenas um jogador.

Já fora das arenas de combate, é no Cofre que se encontram os verdadeiros "Extras", como a impressionante coleção de troféus que podem ser adquiridos dentro do jogo e um modo onde é possível alinhá-los para divertidas montagens fotográficas. Aqui está um verdadeiro catálogo da história das séries representadas no jogo, mas que não está restrito aos troféus. E como a expressão "demasiado conteúdo" não entra no vocabulário dos criadores deste título, foram ainda incluídas demos de jogos clássicos, que permitem experimentar alguns títulos NES e SNES de onde surgiram muitas da referências que podem agora ser encontradas nesta geração de SSB.

Finalmente, na Fonoteca, é possível escutar as centenas (sim, centenas!) de músicas que compõem a banda sonora deste jogo. Aqui estão faixas de imensas séries de videojogos, ainda mais do que as representadas por personagens ou cenários, contando com vários temas retirados dos títulos originais e ainda novas versões "Remix"criadas propositadamente para este jogo. A lista de compositores que participam na banda sonora inclui artistas célebres de várias séries de jogos externos ao universo Nintendo, numa colaboração que resultou num trabalho realmente incrível.


Super Smash Bros. for Wii U é uma carta de amor da Nintendo aos seus fãs. Uma homenagem à história dos videojogos que só uma empresa com um legado como este conseguiria fazer, incluindo muitos dos seus personagens mais icónicos ao lado daqueles que só alguns fãs reconhecem. Mas não é apenas um documento, ou um marco histórico. SSB é um jogo extremamente divertido e carregado de conteúdos para todos os gostos, podendo ser encarado tanto como um bom "party game" para quando há amigos em casa, como um excelente jogo de luta para os jogadores mais dedicados às suas mecânicas e técnicas avançadas. Gregos e Troianos podem finalmente juntar-se e resolver a disputa, de uma vez por todas, com uma partida de Smash.


Nota: este jogo inclui uma importante componente online que não se encontrava disponível para testes a tempo desta análise. Caso se justifique, a mesma será atualizada após ativação do serviço online.