Notícias

Análises

10 de novembro de 2014

Shovel Knight



Durante os últimos anos temos visto aparecer inúmeros títulos que vão buscar inspiração, ou tentar recriar por completo, o estilo a 8-bit de jogos da década de 80 e inícios de 90. Por ser algo que recebeu imensa atenção por parte dos jogadores, o estilo acabou por ser predominante principalmente entre jogos de equipas independentes.

É dentro deste espírito retro que nos chega finalmente Shovel Knight, um jogo de ação onde o nosso herói é um cavaleiro que empunha uma arma fora do vulgar, uma pá. Mais forte que qualquer espada, com esta arma partimos para uma aventura medieval, repleta de magia e inimigos que ameaçam o mundo. No entanto a sua função principal não é esquecida, e pelos vários níveis que enfrentamos temos de cavar para obter jóias, dinheiro e outros tesouros.

O jogo vai buscar várias influências a grandes títulos da NES, e o resultado é uma aventura única com imensos desafios, níveis bastante longos sempre com armadilhas e inimigos para nos dificultar a aventura, e como não poderia faltar vários bosses para derrotar. Em suma é um jogo recente, mas que consegue perfeitamente invocar muita nostalgia dos títulos clássicos da década de 80, por ter em especial atenção vários detalhes, entre eles a paleta de cores semelhante à da NES ou até mesmo o número de botões usados.

A jogabilidade retrata também esses títulos, com controlos bastante precisos, ideais para vários momentos em que temos de saltar em cadeia em inimigos ou elementos nos níveis. Há ainda muitos segredos a encontrar nos níveis, repletos de tesouros com que depois podemos comprar vários itens, novas habilidades ou melhorias para Shovel Knight. Aos poucos os níveis vão-se tornando mais difíceis, com novos desafios e com poucos momentos que se repetem, tornando os níveis bastante únicos e memoráveis.

O estilo retro não é apenas fiel nos visuais, e a própria banda sonora recorda-nos dos jogos de NES, cativando até e as várias músicas ficam no ouvido. Esta foi criada por Jake Kauffman, responsável por títulos como Mighty Switch Force! ou Shantae, e teve ainda a participação de Manami Matsumae, compositor do Mega Man original.

As versões Wii U e 3DS são praticamente idênticas, sendo que a versão portátil tira partido do efeito 3D da consola, que resulta num efeito bastante interessante, e usa ainda o StreetPass. Ambas utilizam o ecrã tátil como um menu extremamente prático, que nos permite facilmente trocar e usar vários objetos, ou no caso da Wii U aceder diretamente ao Miiverse.


Resumindo, Shovel Knight é um jogo obrigatório quer na 3DS ou na Wii U, pois vai buscar muitas influências a clássicos para entregar algo novo. Se gostam de Mega Man, Metroid, Castlevania, entre muitos outros títulos de ação e/ou plataformas, têm aqui algo que certamente irão adorar.