Notícias

Análises

28 de novembro de 2014

Mega Man Battle Network


Embora ignorado pela Capcom nos últimos anos, Mega Man teve um vasto leque de jogos da sua série principal, seguido por imensos spin-offs que abrangeram diversas áreas, entre elas o desporto, jogos de aventura, para além de algumas séries de plataformas diferentes da original. A grande estreia do Blue Bomber no universo do género RPG foi "Battle Network", que teve direito a 6 sequelas, e também ainda 2 spin-offs, entre eles um jogo de plataformas para a Game Cube.

Aqui Mega Man não é um herói que tem como objetivo derrotar robôs que colocam em risco o mundo, mas é sim o companheiro de Lan, um jovem aluno num mundo onde a internet está presente em praticamente tudo. É também neste mundo online onde habitam os NetNavi, ajudantes virtuais de humanos e parceiros de humanos, onde estão em constante comunicação com estes através de gadgets chamados "PET" (PErsonal Terminal). Tal como Lan existem vários outros utilizadores de NetNavi, alguns deles seus colegas de escola, e sejam nossos inimigos ou não ajudam-nos de um certo modo, no desenvolver da história. Para tornar estas personagens mais especiais, os seus NetNavi são, na maioria, incarnações de clássicos personagens da série Mega Man, como Guts Man, Roll, Proto Man, entre outros mais.

Mega Man é o NetNavi de Lan, e juntos se vêm na responsabilidade de eliminar o mundo virtual de vários virus que por lá vagueiam, que colocam em risco os habitantes do mundo digital, entre eles bots ou programas cujas instruções são as de comandar dispositivos do mundo real, que vão dos electrodomésticos a sistemas de segurança de edifícios inteiros. É numa destas situações, que coloca a casa de Lan (e Mega Man) em risco que ambos se vêm envolvidos numa luta contra a World Three (WWW), uma entidade terrorista que tem como objetivo controlar o mundo real e digital.

Por este motivo ambos terão pela frente inúmeras batalhas ao estilo RPG por turnos, com um pouco de ação à mistura. No campo de batalha temos uma grelha de 3 por 6 quadrados, onde por defeito podemos "andar" livremente na nossa metade do campo, um pouco ao estilo de RPGs táticos mas sem existirem turnos. Os nossos ataques também fogem um pouco ao habitual que encontramos no género, e para eliminar os nossos inimigos temos "Battle Chips", ataques diversos que podemos usar como se fossem cartas que nos saem num baralho.

Há várias regras para a utilização destes ataques, sendo a principal um tempo de espera até podermos escolher os próximos ataques, embora tenhamos sempre disponível o tradicional Mega Buster para ir provocando dano aos poucos. Outro ponto fundamental é um símbolo presente em cada Battle Chip, apresentado através de uma caracter, e se pretendemos usar vários Chips de uma só vez, podemos usar aqueles que partilhem a mesma letra. Podemos ainda usar Chips iguais mesmo se têm letras diferentes, ou até mesmo usar algumas combinações possíveis, entre Chips diferentes, para provocar ataques devastadores. Existem ainda alguns Chips especiais que invocam outros NetNavi, com habilidades bastante úteis que nos dão uma boa vantagem.

Fora do campo de batalha o jogo funciona como um RPG tradicional, embora o nosso HP recupere no final de cada encontro, que nos surgem ao género "Random Encounter" enquanto exploramos a internet. Temos imensos locais no mundo real para usar o nosso PET, e podemos aceder ao seu interior onde nos esperam batalhas e itens diversos, alguns deles bastante raros. Entre estes itens existem alguns que dão melhorias de estatísticas a Mega Man, ajudando imenso no jogo.


Foi assim que começou uma das séries de Mega Man, que em 6 jogos principais foi ganhando fãs que queriam ver o que cada capítulo traria de novo. Battle Network teve também direito a uma série de animação, e ainda a sequela spin-off Star Force para a Nintendo DS, que não foi tão bem recebida. Por curiosidade, este primeiro jogo da série teve direito a uma versão melhorada para a DS, com um pequeno cross-over com Star Force.