Notícias

Análises

28 de outubro de 2014

Donkey Kong Land


Quando em 1994 é lançado Donkey Kong Country para a Super Nintendo, conseguiu surpreender o mundo com os seus excelentes visuais. Foi também um jogo de plataformas com bastante desafio, e ainda hoje é bem recordado pelos seus fãs, e até por muitos jogadores dessa época.

Foi no ano seguinte que esse grande clássico da SNES foi adaptado para a Game Boy, e Donkey Kong Land foi procurar inspiração a Super Mario Land, que para além de partilhar o seu nome teve um conceito principal em mente, a longevidade dos níveis. Estes apresentam-se mais curtos quando comparado com a versão original, mas têm a duração ideal para as viagens de transportes, ou curtas sessões de jogo.
No entanto esta adaptação aproximou-se bastante da versão original, mantendo o gameplay presente na SNES, embora com algumas alterações devido à capacidade da consola. Nesta versão apenas vemos Donkey ou Diddy Kong sozinhos no jogo, e quando somos atingidos mudamos para o personagem que temos em reserva.

De resto, os movimentos de rodar, correr e até mesmo atirar barris mantêm-se, embora que em certas ocasiões os controlos falhem um pouco, principalmente em ocasiões em que temos de correr e saltar. Continuamos a ter as letras KONG para encontrar nos níveis, ou até mesmo poder andar em Rambi, embora que, devido a limitações técnicas, apenas este e a avestruz Expresso regressam.

Os visuais também tentam aproximar-se da versão da SNES, com cenários bastante detalhados, que infelizmente muitas vezes pareçam dificultar ainda mais o jogo, pois a Game Boy apenas corria a verde e preto (ou preto e branco). Constantemente os inimigos ou outros objetos misturam-se com o cenário, sendo complicado distinguir os vários elementos do nível, obrigando-nos geralmente a avançar com o máximo de cautela e evitar momentos de morte certa.

A banda sonora tenta recriar a magia da versão original, e consegue-o trazendo bastante mais vida aos níveis, ajudando até a compreender melhor os diversos temas presentes durante o jogo. Muitos dos efeitos sonoros da versão original não se mantiveram, mas a aventura não se torna mais insípida de qualquer forma.


Donkey Kong Land consegue trazer muito do original à Game Boy, tornado-se numa boa aventura a explorar na portátil, com 4 mundos a enfrentar, todos eles com imensas armadilhas. É uma versão que funciona muito bem na portátil, fora um ou outro problema.