Notícias

Análises

23 de outubro de 2014

Donkey Kong Country


Durante a década de 80 a Nintendo soube conseguir desenvolver várias séries que, desde então, têm marcado presença nas suas consolas. Mesmo com algumas séries a ter menos destaque, uma das que mereceu grande destaque foi a série Donkey Kong Country, que tornou um antigo inimigo de Mario num protagonista de respeito.

Isto é... consta que o Cranky Kong, o avô de DK, tenha sido o inimigo de Mario e raptor de Pauline, pois esse afirma-se como sendo o "Donkey Kong original" em algumas ocasiões. Especulações à parte, Donkey Kong Country é um jogo de plataformas repleto de desafios, onde DK e o seu ajudante Diddy Kong partem numa aventura para recuperar as bananas que lhes foram roubadas. Esta tragédia sem precedentes da autoria de King K. Rool, o temível rei dos Krlemings (crocodilos com proporções humanas), e cabe aos nossos heróis atravessar diversas áreas, enfrentar vários bosses e os seus inúmeros lacaios.

É um jogo de plataformas bastante mais difícil, quando comparado com os jogos de Mario, onde a grande maioria dos inimigos são colocados de modo a tirar-mos partido deles mesmos, para criar situações de saltos consecutivos, o que nos permite chegar a certas áreas ou apanhar itens como vidas ou as 4 letras que formam a palavra KONG, que nos dá uma vida extra. Quanto mais avançamos no jogo, mais difíceis se apresentam os níveis, com novos desafios e muitas armadilhas que nos irão fazer perder várias vidas. Existem muitos segredos a encontrar nos níveis, como salas secretas repletas de bananas e vidas extra.

Onde se destaca o jogo foi no seu aspeto visual, com gráficos que souberam tirar partido dos 32-bits que conseguia. A Rare soube criar cenários até à altura extremamente realistas, com um detalhe imenso onde tudo era bastante vivo, e várias vezes acompanhado por situações climatéricas como chuvas intensas, que tornam a experiência ainda mais derradeira. Juntamente temos uma banda sonora que nos fica na memória, e que criam um ambiente perfeito para tudo o que o jogo tem para oferecer.

Os controlos são bastante simples, onde para além do botão de saltar temos um de rodar e correr, e outro que nos permite agarrar em barris e atira-los para matar inimigos em série. Temos ainda níveis debaixo de água, onde os controlos mudam um pouco pois apenas nadamos, o que nos torna indefesos perante várias situações, para a frustração de muitos jogadores. Temos ainda vários animais que nos ajudam durante o jogo, entre eles Rambi que tem tido algum destaque nos mais recentes jogos da série, e ainda Enguarde, um peixe-espada que nos facilita imenso os níveis subaquáticos.

Outro dos pontos bastante interessantes do jogo é também a possibilidade de o jogar cooperativamente com um amigo, sendo um jogo co-op numa altura em que poucos eram os títulos que nos punham a jogar em equipa com um amigo. Não só ajuda imenso a eliminar os inimigos, como recorrentemente arriscamos quando temos diante nós situações mais complexas. É ainda possível jogar num modo "Versus" onde jogamos à vez, e ver quem conclui um maior número de níveis.


Aqui temos um jogo de plataformas que marcou muitos os que acompanharam os videojogos na década de 90, e que recentemente teve direito a um reboot com Donkey Kong Country Returns, e ainda Tropical Freeze, que demonstrou novamente como se fazem excelentes níveis de plataformas onde o desafio é constante. Através da Virtual Console esta é uma excelente oportunidade para descobrir um título clássico, que ainda hoje é facilmente recomendável.