Notícias

Análises

19 de setembro de 2014

Antevisão: Bayonetta 2


Aproxima-se o lançamento de Bayonetta 2, um dos jogos mais aguardados para a Wii U, especialmente após ter sido anunciada a sua exclusividade para esta plataforma, já que foi financiado pela Nintendo. O primeiro Bayonetta foi bastante aclamado pela crítica, mas só agora chega a uma plataforma Nintendo juntamente com o lançamento da sequela. Os fãs de jogos de ação que não tivessem uma PS3 ou Xbox 360 na época, terão sentido bastante pena de não poder jogar Bayonetta, mas poderão agora na Wii U desfrutar da experiência em dose dupla.

Para ficarem a conhecer melhor o jogo original, recomendamos a leitura da nossa análise ao Bayonetta (versão Wii U), que poderão encontrar aqui [link]. Resumidamente, é um jogo de ação intensa onde controlamos uma poderosa bruxa conhecida por Bayonetta, com corpo desproporcional e habilidades fenomenais. É um jogo completamente exagerado que, por isso mesmo, se torna bastante divertido, com uma sobre-sexualização da protagonista que não podia ser um maior ultraje para os anjos celestiais que a querem derrotar.


Bayonetta 2 dá seguimento à história do primeiro jogo, embora não seja essencial tê-lo jogado previamente para perceber o que está a acontecer. Desta vez, alguns aliados demoníacos parecem ter-se virado contra a Bayonetta, o que resulta na alma da sua amiga Jeanne ser levada para o Inferno. A destemida bruxa terá, então, de descer ao Inferno para resgatar a amiga, mas não será tarefa fácil. Além de anjos e demónios, também um sábio a persegue, por motivos desconhecidos. O resultado é que o jogo começa recheado de ação e assim pretende continuar.

Esta sequela promete trazer de volta os melhores aspetos do primeiro título e intensificá-los, agora com maior variedade de inimigos, novas armas e um combate ainda mais refinado. A fluidez dos gráficos, para quem jogou o original numa PS3, faz com que o jogo pareça muito mais responsivo aos controlos, jogando-se numa espécie de 'transe' em que não conseguimos perceber como estamos a acompanhar a ação. Por outro lado, também tem um modo de controlo com o ecrã tátil e que mostra como seria o jogo num tablet, o que fará dele acessível a pessoas que não se entendem muito bem com jogos de ação mas gostariam de se iniciar ou querem jogar Bayonetta por quaisquer que sejam os motivos.


Um destaque deste jogo vai para o modo Tag Climax, onde dois jogadores se podem juntar através da internet para desafiar um conjunto de "Verse Cards" em modo cooperativo. Cada cartão representa um nível onde se deverá derrotar todos os inimigos da forma mais eficiente possível pois, embora seja um modo cooperativo, as melhores recompensas irão para o jogador que tenha o melhor desempenho. Por outro lado, basta que percam uma vez para voltar ao início e o esforço tenha sido em vão. Apesar das limitações da Nintendo Network, o jogo implementou formas muito acessíveis de encontrar jogadores, podendo encontrar amigos que estejam a jogar até mesmo no modo offline e facilitando os pedidos de amizade a desconhecidos com quem se jogue no modo multijogador.

A Platinum Games é uma empresa com provas dadas no mundo dos jogos de acção e Bayonetta 2 parece ser o culminar de uma longa experiência no género, após já ter impressionado os jogadores da Wii U com The Wonderful 101 (também exclusivo). O novo título chega à consola a 24 de outubro mas, até lá, poderão contar com uma análise do Meus Jogos DS!