Notícias

Análises

3 de julho de 2014

Chibi-Robo! Let's Go, Photo!


O pequeno e adorável Chibi-Robo chegou à Nintendo 3DS com este novo "Let's Go, Photo!", um jogo onde a mecânica principal gira em torno de tirar fotografias com a câmara da 3DS para criar uma coleção de "NostalJunk" - recordações de objectos virtuais com imagens baseadas no mundo real. Um conceito interessante, sem dúvida, mas cuja execução deixou muito a desejar.

Antes de criticar o jogo em si, há que ter em conta as limitações do hardware: a câmara da Nintendo 3DS tem uma resolução bastante baixa, faz demasiado "zoom" e praticamente não funciona quando não tem uma fonte de iluminação forte. Sabendo disto, parece logo ser má ideia fazer um jogo cuja principal caraterística dependa da câmara, mas pode-se sempre considerar um incentivo a utilizar a consola fora de casa, durante o dia.

  

O objetivo principal de Chibi-Robo! Let's Go, Photo! é fotografar objetos para criar um catálogo bastante personalizado de modelos 3D criados com as imagens recolhidas. Para este efeito, existe um catálogo de "películas" que vão sendo desbloqueadas e que contêm uma silhueta que deve ser preenchida com a imagem da foto. O problema é que o jogo tenta validar se a imagem corresponde à silhueta, limitando o jogador nos objetos que pode utilizar, especialmente quando as formas são demasiado específicas. Por exemplo, logo no início, uma das formas disponíveis é um quadrado com dois furos bastante pequenos. Tendo em conta a exigência do formato e as qualidades da câmara, conseguir o objeto em questão pode tornar-se uma tarefa bastante frustrante - um simples quadrado não é suficiente. Infelizmente, este tipo de frustrações é mais comum do que os casos de silhuetas fáceis de registar (como uma lata de refrigerante, por exemplo).

Mas o jogo não se fica pelas fotos. Para ganhar e desbloquear novas películas, o Chibi-Robo tem de ganhar "Happy Points" ao ajudar outros robôs e criaturas estranhas em diversos minijogos. Infelizmente, muitos dos minijogos são enfadonhos e causam mais a sensação de uma tarefa ingrata do que alguma diversão. Não ajuda que, entre minijogos e fotos, o pequeno robô tenha quase sempre de carregar a bateria numa tomada, aumentando assim a lista de inconvenientes incluídos no design deste título.


Quando a câmara funciona, no entanto, estas frustrações são superadas ao ver um objeto 3D com a imagem de algo que se acabou de fotografar. Uma alegria momentânea que pode ser recuperada ao visitar o catálogo de objetos fotografados, mas que é bastante volátil e desaparece com a próxima tentativa de fotografar. Sendo assim, este jogo é mais aconselhado a jogadores pacientes e que gostem de usar a consola no exterior, mas recomenda-se que até estes experimentem a demo jogável disponível na eShop antes de investir neste título.