Notícias

Análises

24 de junho de 2014

TNT Racers: Nitro Machines Edition


Dentro do género de corridas poucas são as equipas que exploram tipos de jogo diferentes aos que estamos acostumados, que fogem aos jogos de corrida tipo arcada ou até simuladores. Foi um género que na década de 90 viu excelentes títulos, desde as mais escondidas pérolas às mais famosas competições inspiradas na vida real, mas embora tenha andado meio perdido nos últimos 10 anos, alguns dos jogos mais antigos deixaram a sua marca na estrada.

Este título é uma nova versão do mesmo jogo lançado já para a Wii através do serviço WiiWare, e a versão Nitro Machines Edition oferece novas pistas, veículos e também modos de jogo adicionais. É um jogo que aparece quase como uma sequela de outros tempos, e surgem de uma mistura curiosa entre Micro Machines, Super Skidmarks e um certo toque de Mario Kart. A sua estranheza inicial é rapidamente compensada pelas ideias bizarras da há duas décadas atrás, onde os veículos não pareciam fazer qualquer sentido nos cenários que percorriam, mas também nunca foi suposto respeitar a lógica e enquadra-se perfeitamente num espírito de arcada.

Até 4 participantes correm em pistas algo bizarras no meio de praias, florestas, montanhas nevadas, ou até em templos perdidos e vulcões. São vários os cenários a percorrer, com alguns itens à mistura para nos garantir uma vantagem ou derrotar os nossos adversários. À nossa disposição temos ainda vários veículos que vamos desbloqueando aos poucos, alguns também algo diferentes ao que estamos habituados a encontrar dentro dos jogos do género.

Já as corridas lembram-nos bastante do clássico Micro Machines 64 Turbo para Nintendo 64 (ou V3 na PlayStation) onde uma câmara isométrica acompanha os jogadores, numa sucessão de turnos onde quem fica para trás sai do campo de visão do jogo. Quanto melhor classificados mais pontos recebemos, e para ganhar a corrida basta ser os primeiros a acumular os pontos necessários. Podemos ainda derrotar os nossos adversários atingindo-os várias vezes com alguns dos itens presentes, que após alguns ataques são destruídos.

Visualmente o jogo está bem conseguido, embora pouco colorido, e longe de surpreender consegue criar cenários algo distintos onde a pista está sempre bem destacada. Por outro lado a banda sonora cria alguma confusão na maioria, com músicas que nos lembram de estilos como o Jazz, os Blues e o Swing, que não se enquadram minimamente no jogo (embora crie uma sensação algo única). Por vezes surgem cenários onde a música se insere, mas essas músicas não ficam presas na memória.


Este é um jogo que acaba por matar um pouco as saudades dos fãs de jogos aqui referidos e nos diverte um pouco, mas rapidamente nos faz querer ir ligar as nossas consolas antigas para os jogar. Para quem foi fã desses jogos tem aqui um novo título a explorar, mas longe de substituir qualquer um deles.