Notícias

Análises

15 de maio de 2014

Mario Kart 8


De todas as séries protagonizadas pelo Super Mario além dos seus jogos de plataformas, nenhuma é mais popular do que a série Mario Kart. O seu historial conta já com 7 títulos extremamente bem sucedidos e conhecidos pela pura diversão que oferecem a jogar tanto a solo como com outros jogadores. A série regressa agora na Wii U com Mario Kart 8, pela primeira vez em alta definição e a promessa de uma jogabilidade ainda mais emocionante com novas pistas, itens e personagens.

A grande novidade deste jogo é a mecânica antigravidade: percursos nas pistas que atraem os veículos e permitem corridas nas paredes de alguns cenários, loopings e até mesmo pistas suspensas que se contorcem no ar. O melhor exemplo desta mecânica é a pista "Circuito do Mario", desenhada como uma Fita de Möbius onde se perde a noção de qual é o lado de "cima" e o de "baixo". Se esta é uma questão principalmente estética que permite criar visuais surpreendentes, também abriu portas a uma maior originalidade das pistas. Ao correr em modo antigravidade, a câmara acompanha o veículo com uma ligeira inclinação que não perturba a jogabilidade mas deixa perceber que não se está a correr na orientação imposta pelas leis da física.

À parte de questões estéticas, o modo antigravidade seria praticamente o mesmo que jogar num percurso plano. Por este motivo, acrescentaram a estes segmentos uma mecânica nova de rodopio turbo, que ocorre quando dois corredores colidem entre si ou quando um colide com certos obstáculos, rodopiando e ganhando um aumento temporário de velocidade. Desta forma, as secções antigravíticas das pistas acabam por introduzir mais variedade na jogabilidade, além das secções subaquáticas e aéreas (com parapente) que foram adicionadas em Mario Kart 7 na Nintendo 3DS.


Mario Kart 8 traz um grande salto qualitativo em relação aos jogos anteriores da série, mas também em relação aos restantes jogos da Wii U. Sem menosprezar excelentes esforços na consola como Pikmin 3 ou Super Mario 3D World, os gráficos de Mario Kart 8 são realmente deslumbrantes, explorando ao máximo as capacidades da consola para nos trazer cenários fantásticos e uma sensação de velocidade impressionante, tudo sem baixar dos 60fps, mesmo quando se está numa sessão a 2 jogadores em split-screen com replicação da imagem no GamePad. O frame rate só muda quando se encontram 3 ou 4 jogadores em simultâneo na consola, ficando estável nos 30fps nestas situações.

Se o grafismo é impressionante, não é menos notável a banda sonora do jogo, que se tornou instantaneamente a melhor de toda a série não só pelo facto de ser gravada ao vivo, mas também pelas composições vivas e empolgantes. Muitos temas clássicos estão de volta, graças aos campeonatos retro, mas são os novos temas que merecem destaque graças a músicas como a do Castelo do Bowser (que se baseia no novo tema do vilão em Super Mario 3D World) ou das Cataratas do Masquito, sem esquecer a viciante melodia do Circuito Elétrico.

Gráficos e banda sonora aliam-se ao fantástico design das pistas para fazer o melhor Mario Kart de sempre. Neste jogo, os personagens do universo Mario vão percorrer um parque aquático, subir e descer cataratas vertiginosas, atravessar um aeroporto e até correr no espaço, mas também regressar a pistas memoráveis como o Relógio Tiquetaque de Mario Kart DS, a Autoestrada Musical de Mario Kart 7 ou a mítica Estrada Arco-Íris de Mario Kart 64, agora com um cenário bastante melhorado e uma excelente versão da sua inesquecível banda sonora.


Este é também o jogo com a maior seleção de personagens até hoje, embora não necessariamente a melhor. O catálogo de 30 personagens tem bastantes heróis e vilões para todos os gostos, incluindo os sete Koopalings que têm surgido em vários jogos desde Super Mario Bros. 3 na NES. No entanto, sente-se que há pouca variedade quando 5 personagens são versões "bebé" de outros já existentes e outros 2 são versões metalizadas, mas ficaram de fora alguns carismáticos como o Bowser Jr., Dry Bones ou até mesmo o Coelharápio e Meowser que surgiram em títulos recentes do universo Mario. Cada personagem tem diferentes caraterísticas, embora se dividam de forma genérica entre os leves, médios e pesados, podendo depois selecionar-se qualquer dos veículos existentes no jogo e ainda personalizar com a escolha das rodas e do parapente.

A escolha do personagem e personalização do veículo são componentes importantes da jogabilidade, sendo possível visualizar as estatísticas durante a seleção para entrar em corrida no estilo de jogo mais adequado ao jogador. Além dos karts mais convencionais e outros com desenhos mais criativos, existem também as motas (introduzidas em Mario Kart Wii) com um estilo de controlo diferente e as Moto 4 mais adaptadas ao jogo fora da pista. De forma geral, qualquer veículo oferece a mesma competitividade, desde que associado ao personagem e equipamento certos. Descobrir a melhor combinação para cada jogador é também uma parte da jogabilidade e um desafiado oferecido por Mario Kart 8 aos mais competitivos.

Os tradicionais modos de jogo estão de volta, como o Grande Prémio, Contrarrelógio (Time Trial), Corrida VS e Batalha. No entanto, desta vez o menu principal divide-se entre "Um Jogador", "Multijogador Local" e Online: 1/2 Jogadores. Tirando o modo contrarrelógio, todas as opções de jogo estão disponíveis para um ou mais jogadores, sendo que o Grande Prémio pode ser jogado por até 4 jogadores para tentar obter as taças de ouro e desbloquear personagens e outros conteúdos. Quem quiser simplesmente desbloquear conteúdos, no entanto, terá mais sorte ao fazê-lo a solo, visto que a AI do jogo é normalmente menos competitiva do que outros jogadores experientes, sendo em geral um jogo mais fácil do que Mario Kart Wii.


O maior desafio para os jogadores a solo está no modo Contrarrelógio, onde se corre a sós pelo melhor tempo possível e se compete contra um tempo inicialmente estabelecido pela Nintendo ou contra os melhores tempos de jogadores de todo o mundo. Para cada pista, é possível enviar um fantasma do nosso melhor tempo ou descarregar o fantasma de outro jogador que se queira desafiar, sendo que cada publicação pode ser acompanhada de uma mensagem no Miiverse se o jogador assim o desejar.

Já o modo Batalha, embora disponível para jogar a solo, é muito mais interessante contra outros jogadores. Aqui, cada personagem tem 3 balões e tenta utilizar os itens que vão surgindo para rebentar o maior número possível de balões dos adversários. Este modo, que sempre esteve presente desde o primeiro jogo da série, sofreu agora uma grande transformação: acabaram-se as arenas de combate onde imperava o caos, agora as batalhas ocorrem em pistas normais de corrida, com 8 do jogo principal disponíveis. Embora seja interessante e divertido em alguns dos percursos, há outros em que se fica bastante tempo sem encontrar um adversário para atacar, sendo que a forma como desenvolveram este modo acabou por se revelar uma decisão infeliz. A ausência de arenas não é má por si só, mas a falta de circuitos específicos para o modo Batalha faz com que este seja menos divertido do que as corridas normais nas mesmas pistas.

As Corridas VS funcionam como um Grande Prémio onde o jogador define as regras de jogo, desde a disponibilidade dos itens ao número de pistas e o método de seleção. Ao todo, existem 8 campeonatos Grande Prémio para um total de 32 pistas, das quais 16 correspondem aos campeonatos clássicos. No modo VS, é possível definir um único campeonato que percorra os 32 circuitos para determinar o melhor jogador do grupo, por exemplo. Este é o modo que será mais jogado quando 3 ou 4 pessoas quiserem jogar em simultâneo, graças à opção de escolha livre de regras e pistas para percorrer. No entanto, a 2 jogadores será mais interessante partir para o modo online.


O jogo online permite que uma ou duas pessoas se juntem na mesma consola para correr contra outros jogadores de todo o mundo. No caso de haver um segundo jogador, a experiência em split-screen será idêntica ao multijogador local e com a mesma fluidez oferecida pelos 60fps. Caso o segundo jogador esteja registado na consola e também tiver dados de gravação de jogo, poderá utilizá-los para jogar em vez de aparecer como um simples "convidado". As opções de jogo Mundial ou Continental tentam criar partidas com outros jogadores já ligados entre si: basta aguardar que todos estejam prontos, escolham uma pista onde querem jogar e assistir ao sorteio das pistas para a corrida começar.

Depois de algumas experiências ao nível do online, a Nintendo terá reparado que muitos jogadores escolhiam sempre as mesmas pistas, fazendo com que alguns ficassem frustrados por correr vezes seguidas o mesmo circuito. Desta vez, o jogo sugere apenas 3 pistas para escolha, ou a opção de escolha aleatória, impondo assim a variedade de experiências. Mario Kart 8 incui ainda a opção de criar torneios, que podem ser públicos ou privados, onde é possível definir as regras de jogo e as datas ou periodicidade dos torneios. Estes são acompanhados por uma comunidade do Miiverse onde os jogadores se poderão organizar ou desafiar.

O jogo oferece ainda a possibilidade de jogar online apenas com amigos, onde existe a funcionalidade de conversação por voz enquanto se está no lobby entre corridas. Aqui, é possível ver a lista de amigos e rivais (pessoas que não são amigos mas com quem se jogou recentemente online) e entrar nas suas corridas, embora a conversação por voz só esteja disponível para amigos. Neste modo, a definição de regras é semelhante ao modo Corrida VS, onde se podem escolher as pistas e os itens, assim como decidir se a corrida irá incluir CPUs no caso de não existirem 12 jogadores disponíveis. Para organizar a corrida, é possível enviar mensagens aos amigos através do Miiverse, mas o jogo não notifica a sua receção, pelo que será aconselhável recorrer a métodos tradicionais como o telemóvel para convidar os amigos. É uma falha lamentável que mostra as limitações do serviço online da Nintendo, já que é possível ver na consola que alguns amigos também estão no jogo, mas não há uma forma eficiente de lhes dizer para se juntar a uma corrida online.


Falta mencionar uma das maiores funcionalidades deste jogo, conhecida por Mario Kart TV ou MKTV. Em todo o jogo, no final de uma corrida, é possível visualizar os melhores momentos em planos de câmara dinâmicos. Estas sequências de vídeo são geradas automaticamente, mas podem ser configuradas de forma a focar-se mais em certos jogadores ou certos momentos como a utilização de itens. A visualização do MKTV é interativa e permite puxar atrás ou avançar rapidamente, assim como ver em câmara lenta. É aqui que o cuidado com a apresentação do jogo mais salta à vista, realçando todos os detalhes das pistas, dos veículos e até dos modelos 3D dos personagens, onde se pode ver por exemplo a forma como até a bigodaça do Mario abana ao vento com a velocidade.

Os vídeos do MKTV proporcionam excelentes momentos depois das corridas, especialmente quando se está em multijogador local e alguém fez uma daquelas jogadas que estragam a partida a alguém. Com novos itens como o bumerangue e a planta piranha, há agora mais formas de irritar os outros jogadores, mas com outros como a super buzina, também é possível defender-se de ataques devastadores como o da carapaça de espinhos que ataca o jogador em 1º lugar na corrida. Tudo isto são momentos belíssimos de se ver nos "melhores momentos", especialmente em câmara lenta na hora certa. É uma funcionalidade que vai proporcionar tantas gargalhadas como as amizades que irá "arruinar" ao revelar quem é que deixou aquela casca de banana mesmo antes da meta, entre outras coisas.

Há ainda uma opção do menu principal para consultar os vídeos da MKTV, onde estão automaticamente guardados os vídeos mais recentes, incluindo das corridas online onde os melhores momentos não são apresentados no final. É possível fazer upload dos vídeos para a Nintendo Network, acompanhando com uma publicação e screenshot no Miiverse, e até mesmo para o Youtube (não disponível a tempo desta análise), para mostrar ao mundo as corridas favoritas. Da mesma forma, o jogo permite ver vídeos carregados por outros jogadores, incluindo da lista de amigos e das comunidades criadas para os torneios, sendo necessário para isso ir percorrendo a lista de vídeos, num menu que merecia ter sido feito de forma mais prática e intuitiva, mesmo que isso sacrificasse o seu visual impressionante onde uma plateia assiste aos vídeos num ecrã gigante.


Ao fim de muitas horas com Mario Kart 8, é impossível não reparar nas suas falhas já referidas. Talvez incomodem mais por serem pequenas nódoas num manto imaculado, onde tudo roça o limiar da perfeição. O jogo foi cuidado e polido ao mais ínfimo detalhe, algo que se percebe quando até os veículos levam pormenores desenhados na parte de baixo, que só poderão ser visíveis quando se vê  em câmara lenta no MKTV um acidente que provoque uma cambalhota no ar. Todo este cuidado para que o jogador não se aperceba sequer durante a corrida dos pormenores e se deixe simplesmente envolver numa experiência imersiva e divertida. Em comparação com outros títulos da série, fica a sensação de que o jogo poderia ter um pouco mais de conteúdo, como as missões/desafios online, personagens ou percursos específicos para o modo de Batalha. No entanto, não são essas omissões que vão retirar o brilho a este jogo.

Mario Kart 8 é tudo o que se pode esperar de um novo Mario Kart, com corridas divertidas e viciantes carregadas de itens. Continua a ser o jogo onde uma corrida em primeiro lugar pode ser arruinada a uns meros passos da meta final, ou onde um jogador em último lugar consegue recuperar até ao topo da tabela. É um título excelente para jogar a solo de forma competitiva, mas também casualmente com os amigos, prometendo várias gargalhadas e discussões saudáveis em multijogador. É também o jogo mais impressionante da Wii U até ao momento em termos visuais e não só um dos mais divertidos da consola, mas também um dos mais divertidos da série: após jogar Mario Kart 8, os outros jogos de corridas parecem todos mais enfadonhos.