Notícias

Análises

19 de março de 2014

Professor Layton vs. Phoenix Wright: Ace Attorney


Dois grandes heróis das portáteis da Nintendo encontram-se primeira vez na 3DS, numa aventura em território neutro e com uma história que tenta apelar aos fãs de Professor Layton e de Phoenix Wright. São duas séries com um excelente legado e características muito distintas, mas a ideia de unir estes paladinos do pensamento lógico numa só história foi imediatamente aclamada pelos fãs. A primeira questão que se levanta, então, é se Professor Layton vs. Phoenix Wright: Ace Attorney resultou bem como uma fusão das duas séries, ou se acaba por pender mais para um dos lados.


O encontro dos heróis acontece no mais improvável dos locais: a misteriosa cidade de Labyrinthia, que existe num mundo dentro de um livro, onde existem bruxas e magia, mas desconhece-se o conceito de lógica. No entanto, a aventura começa um pouco antes, quando Professor Layton recebe a visita de uma rapariga chamada Espella e que afirma ser perseguida por bruxas. Apesar do célebre cavalheiro a conseguir ajudar, acaba por ver-se preso na história de um livro. O mesmo acontece a Phoenix Wright, após salvar Espella em tribunal de uma injusta acusação de assalto.

Em Labyrinthia, Espella é acusada de ser uma bruxa e ter utilizado magia, algo que é condenado com a pena de morte. Compete aos dois protagonistas, acompanhados dos seus fiéis ajudantes Luke Triton e Maya Fey, provar a inocência desta rapariga, tarefa que não será nada fácil num mundo onde existem coisas que estes consideravam ser impossíveis. Para um primeiro crossover destas séries, a temática foi bem escolhida. Tanto nos jogos de Layton como Ace Attorney, os protagonistas são confrontados com as situações bastante surreais, mas para as quais encontram uma explicação lógica. Como lidarão eles, então, com um mundo mágico onde nada parece fazer sentido?

A história aborda esta questão desde o início e apresenta desafios cada vez maiores, à medida que se vai desenrolando em reviravoltas surpreendentes, como os fãs destas séries já deverão esperar. Pelo meio, há puzzles para resolver e sessões de tribunal para enfrentar. Esta é uma prova de fogo para duas mentes brilhantes, que provam pensar melhor em conjunto... mas nem sempre estão juntos, pois muitas situações farão com que os seus caminhos se separem. Os personagens são interessantes e divertidos, com características dos dois universos, incluindo as expressões exageradas e os trocadilhos com os nomes e as suas ocupações.


A nível de jogabilidade, foi uma boa escolha ter o sistema de navegação de Professor Layton como base para este título. Ao explorar os cenários, tal como na sua série, Layton encontra vários puzzles que terá de resolver. No entanto, os puzzles são em maioria bastante fáceis, de cariz visual ou baseados em mecanismos simples. Pelo caminho, há bastante "hint coins" que podem ser usadas para ajudar a resolver um puzzle, ou então em tribunal.

Os julgamentos não serão nada de novo para os fãs de Ace Attorney, que até os irão considerar bastante fáceis. Para os fãs de Professor Layton, estes podem ser encarados como uma espécie de puzzle, onde é necessário prestar atenção aos depoimentos das testemunhas e compará-los com as provas existentes para detectar contradições e assim resolver o caso. Quem conhece a série de advocacia terá também uma boa novidade, os julgamentos com várias testemunhas em simultâneo. Estas podem apoiar-se, acrescentar informações ou até contradizer-se, dando uma mecânica interessante às sequências de tribunal.

A alternância entre as sequências de puzzles e investigação e os julgamentos cria um bom ritmo no avanço da história, não sendo cansativa para o jogador. O mesmo acontece com os momentos de humor, tanto dentro como fora do tribunal, para aliviar dos momentos de maior tensão: por vezes, o jogo torna-se realmente dramático e mostrar um destino cruel para certos personagens.


É um jogo para os fãs das duas séries, mas também para quem é apenas fã de uma delas e agora descobre a outra. O estilo artístico permitiu um bom ambiente intermédio, onde os desenhos dos personagens não são tão simples como os de Layton, mas também não tão detalhados como os de Ace Attorney. Apesar do cenário ser novo para os dois personagens, a temática medieval é mais facilmente associada ao herói da cartola alta. No entanto, as reações dos personagens à estranheza do herói de azul proporcionam um humor que é muito característico do advogado. Também a banda sonora foi bem trabalhada neste sentido, com o bónus de ter um excelente tema principal. Infelizmente, o voice acting do personagem Phoenix Wright não está tão bem conseguido como o dos restantes personagens, contrastando um pouco com o resto do elenco.

Como é de se esperar num crossover entre duas séries populares, o "fan service" está na ordem do dia. Já foram citados alguns exemplos, mas só mesmo quando se está a jogar é que se percebe realmente o quão presente está o típico humor de Phoenix Wright, contrastando com a seriedade do Professor Layton, que sabe impor respeito ao bater na mesa de um tribunal. Ver quando personagens encontrado na rua tem um colapso após Layton resolver um simples puzzle, ou a forma como Maya Fey reage quando ao primeiro desafio do professor, são situações divertidas e que fazem deste título uma delícia para os fãs.


Houve um grande cuidado em apelar ao maior número de pessoas com este jogo, sendo bastante acessível mesmo a quem não conheça estas séries mas goste de aventuras gráficas. O medo de alienar fãs de uma das séries, infelizmente, fez com que o jogo se tornasse um pouco fácil, mas nunca se torna desinteressante. Após Professor Layton vs. Phoenix Wright: Ace Attorney, muitos fãs de uma série se irão aperceber que têm uma outra excelente série a descobrir na Nintendo DS e 3DS. Este jogo não ultrapassa os melhores títulos das séries que representa, mas é uma aventura imperdível para os fãs de puzzles e investigação.