Notícias

Análises

15 de janeiro de 2014

Mario Party Island Tour


Embora muitas vezes a ordem do Reino Cogumelo esteja caótica, com Peach sempre embrulhada em problemas, quer por ser raptada ou a lançar-se em aventuras para resgatar terceiros, há sempre uma ou outra oportunidade para descontrair e organizar uma grande festa, com várias atividades diferentes.

A série Mario Party chega pela terceira vez a uma portátil da Nintendo, agora na 3DS, e surge com a intenção de ter sempre disponível uma festa à mão, ser um jogo diferente para jogar com mais amigos em qualquer local. Para quem não conhece, Mario Party trata-se de um jogo onde até 4 pessoas competem num tabuleiro para chegar em primeiro lugar à meta, tal com o Jogo da Glória, mas até lá têm de enfrentar diversos desafios que surgem como minijogos, ou elementos nos próprios tabuleiros como armadilhas que nos apanham (quase de) surpresa.

Em grande destaque surge o modo Festa, onde à nossa disposição temos alguns tabuleiros, desde os mais simples a tabuleiros com mecânicas bastante próprias, mas em todos os objectivo é claro: conseguir vantagem através de mini jogos, colocar de parte quaisquer amizades e vencer. Estes foram feitos a pensar no formato portátil, não se estendendo demasiado, e em todos os modos de jogo temos uma breve descrição do tempo médio de jogo que cada sessão terá, ou quais atributos são mais importantes nesses modos: a nossa habilidade, a sorte ou os minijogos. 

Como é um jogo de festa este foca-se principalmente no multijogador, e uma das vantagens deste título é o download play, que com apenas uma cópia do jogo permite tirar completo partido do mesmo, tornando-se ideal para curtas sessões sem criar muitos obstáculos. Outro ponto extra é a total localização em português, o que não coloca de parte nenhum jogador por cá (excepto, talvez, quem não tiver uma Nintendo 3DS ou 2DS). O jogo funciona do mesmo modo que se fosse numa edição caseira, apenas com a diferença que cada jogador olha para o seu ecrã, embora este seja igual em todas as consolas.

Mas embora seja o tipo de jogo seja propício à diversão este acaba por se perder um pouco e não entrega uma experiência que entusiasme os jogadores, e poucos são os que se destacam ou se tornam favoritos. É também tirado muito pouco partido da consola em si, o ecrã táctil e controlos por movimento são raramente utilizados e mesmo o modo StreetPass oferece muito pouco. Outro ponto negativo é a quantidade das personagens disponíveis, onde temos apenas 9 à disposição (mais um desbloqueável), que mesmo sendo todos iguais sem quaisquer atributos, quando se trata de um universo como a série Super Mario é muito habitual haver diversos favoritos entre os fãs, e tocam ainda mais na ferida quando vemos alguns personagens, que têm recebido algum destaque noutros jogos, aparecerem aqui apenas como figurantes em cenários. 

Caso não tenhamos parceiros de jogo disponíveis temos um modo para um jogador, onde o objetivo é enfrentar a Torre do Bowser em que a cada andar temos de vencer um dos minijogos disponíveis, derrotando cópias das personagens do jogo, cópias estas feitas em mágicas bolhas de sabão. O jogo todo está repleto de bolhas (não fossem ela a história detrás deste título), e surgem ainda como colecionáveis através de pontos, mas estes são extremamente redundantes por serem simples caixas de som, com vozes das personagens ou músicas do jogo.

A banda sonora presente funciona dentro do espírito do jogo, mas está longe de memorável e sente-se muita reciclagem de outros títulos da série, acabando por pecar um pouco na sua qualidade. Também pouco trabalhado estão os visuais do jogo, muito longe do que estamos habituados a ver na consola e dos jogos de Mario e companhia, tendo apenas como ponto positivo a presença do efeito 3D e uma fluidez constante em todas as consolas em jogo.


Não existindo muitas alternativas dentro do estilo Mario Party na 3DS é seguro ver algum interesse neste tipo de jogo no catálogo vasto que a nova portátil da Nintendo tem disponível. Também fica bastante atrás de outros títulos que são utilizados para curtas ou longas sessões de multijogador na consola, independentemente do tempo que os jogadores terão disponíveis para as suas partidas.