Notícias

Análises

31 de dezembro de 2013

Nintendo 3DS - Jogos do Ano 2013


É difícil trazer à memória a última vez em que uma consola tenha tido um ano de lançamentos tão forte como o da Nintendo 3DS em 2013. Até os que tinham elevadas expetativas foram surpreendidos pela quantidade de jogos de alto calibre publicados na consola, quando até a eShop se tornou uma alternativa viável ao lançamento de títulos que teriam pouco sucesso comercial nas lojas. Um ano com fenómenos sociais como Animal Crossing e Pokémon X/Y, com aventuras épicas e ainda heróis vestidos de verde. Se anteriormente havia dúvidas que a 3DS conseguisse estar ao nível do legado da Nintendo DS, este ano serviu para dissipar quaisquer dúvidas: afinal, o melhor título lançado em 2013, com 7 consolas ativas no mercado, é um jogo da Nintendo 3DS.

Exclusivos da eShop

Beat-em-up é um género que tem regressado aos poucos nas consolas atuais e Code of Princess serve como um excelente aperitivo aos que querem destruir tudo o que se mexe. Muitas personagens para escolher e over-the-top quanto basta à nossa espera num jogo que nos recorda de grandes clássicos como Guardian Heroes.

2 - Phoenix Wright: Ace Attorney - Dual Destinies
Devido às vendas tipicamente baixas desta série de culto, o quinto jogo da série Ace Attorney não teria chegado ao Ocidente se não existisse a Nintendo eShop. Apesar da transição para o digital, recebemos um jogo integral com tudo a que a série nos habituou: um drama de advogados recheado de humor e situações inesperadas, com uma excelente história e personagens memoráveis.

A surpresa do ano foi este pequeno jogo de escavações que revelou, afinal, ser muito mais do que isso. SteamWorld Dig é uma fantástica mistura de géneros uma jogabilidade excelente e que se vai desvendando à medida que se explora o próprio jogo. Tudo isto, com um ambiente steampunk envolvido em mistérios ancestrais, faz deste o jogo obrigatório para descarregar da eShop.

Disponíveis em cartão

Muito por causa da qualidade da concorrência existente este ano, a chegada de Pokémon à Nintendo 3DS não esteve à altura dos melhores dos melhores. Ainda assim, é inegável o mérito deste título em trazer (finalmente) para as 3 dimensões o universo de uma das séries mais populares do mundo, com a recriação perfeita dos desenhos das criaturas em modelos 3D. O jogo tem as suas falhas e deixou os fãs a pedir mais conteúdo, mas a verdade é que foi muito bem sucedido em modernizar uma série que parecia estar a estagnar. É um dos melhores títulos de Pokémon e sem dúvida um dos jogos mais relevantes do ano.

Em 2013, a Nintendo apostou no regresso de grandes nomes do passado, mas a maior surpresa foi este Luigi's Mansion 2. A sequela de um jogo de lançamento da GameCube onde Luigi é um caça-fantasmas superou de longe a qualidade do jogo original, numa aventura gráfica divertida e recheada de puzzles inteligentes. Mais surpreendente foi a inclusão de um sólido modo multijogador, que pode até ser jogado online por consolas que não tenham o jogo, graças ao "download play". Um título que lembra clássicos como Ghostbusters e Scooby Doo, marca o "Ano do Luigi" ao mostrar que o canalizador vestido de verde também merece o protagonismo.

Um dos pontos fortes da Nintendo DS foi, sem dúvida, o seu excelente catálogo de jogos RPG japoneses numa época em que o género começou a perder força nas consolas domésticas. Bravely Default é o primeiro grande título do género a chegar à 3DS pela Square-Enix, um verdadeiro "Final Fantasy" à moda antiga, mas que não tem medo de inovar e aproveitar ao máximo as capacidades da consola.

O fenómeno social do ano em videojogos de consola foi, sem dúvida, o Animal Crossing. Graças à possibilidade de tirar screenshots do jogo para partilhar nas redes sociais, tornou-se mesmo o segundo videojogo mais partilhado no Tumblr (a seguir ao incontornável Pokémon) em 2013. Porquê tanto sucesso? New Leaf é um excelente jogo social, onde é possível coleccionar items e personalizar a própria casa e a vila onde habita o nosso avatar, para depois partilhar com os amigos, seja através dos modos multijogador ou, como já referido, das redes sociais. Um jogo sem fim onde cada um pode viver a sua própria história.

Foi o nosso jogo mais aguardado para o ano de 2013, que antecipamos com uma série de artigos dedicados à série [link], mas mesmo assim conseguiu superar as melhores expetativas. Fire Emblem Awakening é um RPG de estratégia brilhante, com uma mecânica brutal e uma história envolvente, um grafismo excelente e incontáveis horas de jogo. Um jogo para todos os jogadores que gostem de estratégia, com modos dedicados tanto aos iniciados como aos veteranos mais hardcore, que marcou o início de uma vaga de títulos que fazem da 3DS a melhor consola da atualidade.

Se há frase que não nos fartamos de repetir, é que a Nintendo 3DS teve um ano incrível em 2013. Um catálogo de jogos tão bom que até o 5º jogo do nosso top do ano teria sido digno do 1º lugar noutro ano qualquer. Títulos brilhantes, experiências fantásticas, com uma série de outros grandes títulos que aqui teriam tido lugar num outro ano mais "calmo" em termos de lançamentos. Quando Legend of Zelda: A Link Between Worlds foi anunciado, ainda este ano, como uma sequela do clássico A Link to the Past (SNES), muito se questionou se este jogo iria estar à altura do seu legado.

A Link Between Worlds superou todas as expectativas. Ao regressar às origens da série, a Nintendo conseguiu captar a sua essência para oferecer uma experiência completamente nova, embora suficientemente familiar para apelar à nostalgia dos fãs. Um jogo que pode muito bem ter redefinido a série, focando-se na livre exploração e na criação de excelentes dungeons, dispensando artefactos de história e longos tutoriais para criar uma experiência de "Zelda" que tanto tem de tradicional como de inovador. O melhor jogo do ano é também o melhor Zelda em mais de uma década: só a Nintendo teria o poder, a sabedoria e, sobretudo, a coragem para o fazer.

Ler Mais >

30 de dezembro de 2013

Wii U - Jogos do Ano 2013


O primeiro ano da Wii U não correspondeu ao que se esperava do lançamento de uma nova consola da Nintendo, tendo sido marcado por um grande vazio de novos jogos durante os primeiros meses. No entanto, a segunda metade do ano conseguiu compensar esse vazio ao trazer títulos de muito grande qualidade: a Wii U é agora uma consola com um interessante e diversificado catálogo de jogos, incluindo alguns must-haves que figuram nas lojas entre os melhores jogos lançados este ano e uma oferta digital recheada de nostalgia.

Exclusivos da eShop

3 - NES REMIX
Foi um lançamento tardio em 2013 e igualmente inesperado, mas este NES REMIX oferece novas experiências baseadas em velhos clássicos da NES, numa viciante compilação de minijogos com desafios para os jogadores mais experientes, mas que serve também de introdução a quem não conhece os clássicos em questão.

2 - DuckTales: Remastered
Este foi um ano forte em revivalismos, mas poucos se podem gabar de ter sido tão bem executados como este remake do jogo DuckTales para a NES, que traz um grafismo moderno e uma jogabilidade melhorada sem arruinar a experiência que muitos recordam da sua infância. Outra coisa que se manteve foi a dificuldade, pelo que os menos persistentes devem já considerar-se avisados!

1 - EarthBound
Normalmente, não seria justo incluir um clássico da Virtual Console numa lista de jogos do ano. Infelizmente, ou talvez não, é muito difícil para muitos jogos lançados atualmente competir com grandes clássicos de há 20 anos, nem que seja pelo seu valor nostálgico. Mas o caso de EarthBound é especial: este clássico da Super Nintendo foi lançado apenas em 2013 na Europa e revelou-se um RPG surpreendentemente atual, com um mundo e história fascinantes. Uma fantástica aventura vista por uma criança e cuja mensagem é, afinal, dirigida aos adultos.


Disponíveis em disco

5 - Rayman Legends
Um anunciado exclusivo de lançamento que acabou por ser adiado e lançado para quase todas as plataformas, mas revelou ter na Wii U a sua versão definitiva, mostrando como o GamePad pode ser utilizado de forma criativa e divertida num jogo de plataformas 2D bastante sólido e consistente, quer seja a solo ou em multijogador. Rayman Legends é um grande exemplo de como um género já estabelecido pode beneficiar das funcionalidades desta consola.

4 - The Wonderful 101
A indústria de videojogos é frequentemente criticada pela falta de inovação e da ausência de novas experiências, mas também é sabido que estas também tendem a ser ignoradas quando chegam ao mercado. The Wonderful 101 é um jogo difícil de explicar, uma espécie de cruzamento entre Pikmin e Bayonetta, cheio de referências à cultura pop e que oferece ação sem limites, com algumas das melhores utilizações do GamePad.

3 - The Legend of Zelda: The Wind Waker HD
Dez anos depois do seu lançamento, este grande clássico da GameCube ganha uma nova vida em HD e um grafismo melhorado com cores vibrantes, com uma jogabilidade simplificada. Wind Waker continua a ser um dos principais títulos da série Legend of Zelda, uma aventura única em alto-mar e com grande liberdade de exploração. Um dos jogos mais bonitos do ano e uma compra obrigatória para os fãs de jogos de aventura.

2 - Pikmin 3
Uma década depois de Pikmin 2, a Nintendo regressa à série de estratégia em tempo real onde adoráveis criaturas se organizam para apanhar frutos e objetos, eliminando todos os "monstros" que se cruzem pelo caminho. É um jogo que se controla melhor com o Wii Remote + Nunchuck do que apenas com o GamePad, mas que também dá uma grande utilidade ao comando da Wii U graças ao mapa interativo. O hiper-realismo dos cenários é deslumbrante e a jogabilidade é perfeita, com os níveis de qualidade a que a Nintendo nos habituou.

A Nintendo tem uma equipa especial. Os seus jogos não são como os outros, quebram as barreiras impostas pela imaginação e estão cobertos daquela famosa "Magia Nintendo", o ingrediente secreto que nos delicia desde os tempos da NES. Super Mario 3D World é um jogo de plataformas 3D para 1 a 4 jogadores, dotado de uma jogabilidade fenomenal e níveis extremamente bem desenhados. O resto é pura criatividade, com níveis feitos para desafiar e surpreender tanto os novatos como os jogadores experientes. É finalmente um motivo forte para comprar uma Wii U e também para juntar a família ou os amigos em frente à televisão, um jogo que se manterá relevante ao longo do ciclo de vida da consola. Meow!
Ler Mais >

26 de dezembro de 2013

Zelda junta-se a Super Smash Bros.


Zelda, a princesa do reino de Hyrule, junta-se a Super Smash Bros. para representar o seu universo, juntamente com Link e ainda Link Cartoon. O seu desenho mantém-se ao estilo de Zelda: Twilight Princess, e por sua vez idêntico ao que foi utilizado em Smash Bros. Brawl, e é bastante provável que traga novamente o seu arsenal de magias para combater.



Uma novidade parece ser um ataque em que invoca um soldado (embora esse possa ser um Assist Trophy), mas fica apenas a especulação até porque ainda temos muito poucas imagens relacionadas com os seus ataques. De fora está também uma única imagem de Sheik, personagem em que Zelda se transforma, mas mantendo-se essa habilidade deveremos ter imagens brevemente.

Sobem assim para três as personagens do universo The Legend of Zelda, e a próxima revelação deste universo deverá ser um vilão. Gostariam de ver um novo vilão para além de Ganondorf?
Ler Mais >

24 de dezembro de 2013

Boas Festas!



A todos os nossos leitores e amigos, a equipa do Meus Jogos DS deseja um Feliz Natal na presença daqueles que mais gostam e com excelentes jogos no sapatinho! Que o ano de 2014 seja recheado de boas surpresas e grandes momentos!
- Telmo Couto, Nuno Mendes e Ivo Silva
Ler Mais >

23 de dezembro de 2013

3D Super Hang-On


Um dos grandes clássicos da SEGA está de regresso, desta vez em formato portátil através da eShop da 3DS. Esta não é a versão que muitos de nós jogamos na Mega Drive, mas sim a versão que podíamos ver em diversas arcadas décadas atrás.

Para quem não conhecer, Super Hang-On é um jogo de corridas onde conduzimos uma mota, e uma mota apenas, sem seleção de marca ou "personagem". À escolha temos quatro pistas disponíveis e a banda sonora que nos vai acompanhar nesta luta contra o tempo, pois precisamos de chegar a checkpoints para conseguir terminar a volta. Nesta nova versão podemos ainda definir a dificuldade do jogo e o tempo que temos disponível, oferecendo assim um desafio extra para os mais corajosos.

Durante o percurso vamos encontrando outros pilotos que nos barram o caminho, tendo de nos desviar deles se não quisermos perder tempo. Encontramos ainda outros obstáculos de lado nas pistas, que ao bater-mos contra elas despistamo-nos, perdendo assim imenso tempo que poderá terminar a nossa volta. Por isso aquilo que aparenta ser um jogo de andar "sempre em frente" rapidamente nos faz querer controlar a nossa velocidade para evitar problemas.

À esquerda uma imagem do jogo na 3DS, à direita a arcada original.

Os fãs do género de corrida podem encontrar aqui um título que mostra o que era feito no passado antes de existirem as capacidades técnicas possíveis hoje, onde o nosso rival é apenas o tempo e os diversos condutores rivais servem para nos garantir pontos extra quando os ultrapassa-mos, e não tínhamos muita escolha a nível técnico por parte da máquina que escolhemos, contando apenas a nossa perícia para obter uma melhor pontuação. Não existe uma pista desenhada e temos de estar sempre atentos para ver quando é que surge uma curva na pista.

É um jogo que nos lembra dos diversos jogos de arcada que a SEGA nos habituou, e esta versão vem trazer um pouco dessa magia em formato portátil, numa versão que teve bastante atenção ao detalhe para se manter bastante fiel ao jogo original. Um dos pontos que transmite isso é os diversos modos de ecrã, que muda o aspecto da cabine onde jogamos (caso disponível), e se quisermos podemos ainda recriar a inclinação como se estivéssemos mesmo a andar em cima da moto. Para um efeito ainda mais real podemos usar o giroscópio para controlar o jogo, controlos que estão bem implementados, mas tornam-se complexos de usar em situações de pânico.


A M2 e a SEGA trazem assim uma experiência para a 3DS bastante interessante, um dos jogos da vaga de clássicos remasterizados em 3D da antiga rival da Nintendo. O efeito 3D está bastante bom e dá uma nova vida a um jogo de 16 bits, oferecendo assim uma experiência que, de um certo modo, faz um ponto de ligação entre o que era feito antigamente com o que é possível obter hoje.

Ler Mais >

3D Shinobi III: Return of the Ninja Master


A M2 tem desenvolvido novas versões 3D de antigos jogos da Sega. Depois de Sonic, After Burner e Streets of Rage, eis que chegou a hora de Shinobi. A estória escolhida foi a de Shinobi III: The Return of the Master Ninja, e não podiam ter feito melhor escolha. Anos depois de muitos de nós termos experimentado este título na Mega Drive, mais propriamente em 1993, eis que chega ele à 3DS da Nintendo. Neste jogo de acção e plataformas, que mistura em alguns dos seus níveis, elementos existentes nos jogos de corridas (o nível do cavalo ou o da prancha), encarnámos o ninja lendário, Joe Musashi.

Musashi tem, como em aventuras anteriores, que se haver com os planos sinistros da organização criminosa da Neo Zed, liderada pelo misterioso Shadow Master. Retalhando outros ninjas, militares, robots e criaturas que parecem retiradas da mente de um tal Dr. Frankenstein, Musashi tenta restaurar a paz e estabilidade no mundo. Para tal, o Ninja branco conta com diversas inovações, relativamente a campanhas passadas. Musashi pode agora correr e efectuar um slash enquanto o faz. De igual modo, pode atacar usando um pontapé aéreo, escalar paredes e fazer duplo salto.

Munido de uma espada, que usa para reflectir alguns projécteis e atacar de perto, o ninja branco tem, ainda, as famosas Kunais que usa como armas de arremesso. Estas podem ser melhoradas, por via de um upgrade que se apanha nos níveis, mas perde-se imediatamente após sermos tocados uma vez pelo inimigo. As Kunais não são infinitas, mas a grande quantidade de recargas existentes não limita seu uso. Associado a isto, Musashi pode usar, pelo menos uma vez por nível, uma de quatro magias à sua disposição. Estas Ninjitsus vão desde a evocação de um Dragão em chamas e um ataque de auto-destruição, que consome uma vida ao jogador, até nimpos que permitem saltar mais alto ou ficar invencível por breves momentos.


A personagem de Musashi controla-se muito bem, embora o direccional da 3DS, pela sua rigidez, nos cause um certo cansaço ao fim de algum tempo de jogo. Shinobi tem um total de sete níveis repletos de inimigos para derrotar, inclusive, bosses bastante imaginativos, cujos padrões é necessário decorar, se pretende-mos concluir a aventura. Com uma grande variedade na escolha dos locais dos respectivos níveis, Shinobi 3 tem gráficos soberbos e muito actuais. A presença da opção 3D, quer a “normal”, quer a Pop-up, traz não apenas uma maior profundidade aos cenários, mas também, nos mostra mais eficazmente a sua beleza.

A musica é excecional e a sua batida de tal maneira eletrizante que nos faz querer ultrapassar mais e mais as dificuldades que o jogo nos coloca. Esta versão inclui um muito útil modo de save no local, que permite iniciar a aventura a partir do sítio em que ficámos. Isto é algo essencial para a nova natureza portátil do título. Existem dois modos de jogo, o International e o Japanese, mas as diferenças entre ambos não são relevantes, nem muito significativas.


Em suma, este é o regresso, em grande, de Musashi ao panorama das consolas. Esperemos que a M2 continue o excelente trabalho que tem feito e nos graceje com novos remakes de clássicos da Sega, dentro em breve.
Ler Mais >

19 de dezembro de 2013

Nintendo Direct: dezembro 2013


Foi novamente de surpresa que a Nintendo nos apanhou com mais um Nintendo Direct, mas o seu anúncio foi apenas a primeira que iríamos ter. Foi uma apresentação dedicada aos jogos que serão lançados na Primavera de 2014 para a 3DS e Wii U, mas ainda assim tivemos algumas novidades relativas a títulos a serem lançados posteriormente.

Começamos com um novo título para a Wii U, um spin-off da série Zelda por enquanto conhecido como Hyrule Warriors, um jogo que usa o motor da muito conhecida série Dynasty Warriors da Tecmo Koei, que nos colocam a enfrentar centenas de inimigos ao mesmo tempo. Este título será lançado em 2014.

Ficamos a saber mais sobre Kirby Triple Deluxe que será lançado em 2014, o próximo título de Kirby e que o lança na 3DS (não contando com jogos da NES ou GameBoy, claro) no formato de jogo de plataformas 2D que estamos bem habituados, mas agora com vários pontos de profundidade nos níveis, algo que irá tirar partido do efeito 3D que a Nintendo 3DS consegue. Outras das novidades é um poder extra de absorção que aumenta ainda mais a capacidade que é característica de Kirby.

Ficamos também a conhecer dois modos extra do jogo: em Kirby Fighters enfrentamos 4 jogadores utilizando uma habilidade de cópia apenas, a fim de tirar teimas para saber qual é a mais forte. Já Dedede's Drum Dash, um jogo de ritmo onde controlamos o Rei Dedede (antigo rival de Kirby) ao som de músicas muito conhecidas da série.

Logo de seguida tivemos novidade sobre Yoshi's New Island, título que será produzido por Takashi Tezuka, o diretor criativo de Yoshi's Island que se estreou na Super Nintendo. Não houve muitas novidades relativas ao jogo, que será lançado já na primavera de 2014.

Uma das novidades do ano foi a confirmação do lançamento de Professor Layton vs Phoenix Wright: Ace Attorney na Europa, e este estará finalmente disponível no dia 28 de março de 2014, disponível à vendas nas lojas de retalho e na eShop. Poderemos finalmente acompanhar a história que une estas duas personagens icónicas e os mistérios que terão de resolver.

Donkey Kong Country: Tropical Freeze, o sucessor de Donkey Kong Country Returns, com lançamento marcado na Wii U a 21 de fevereiro de 2014, que desta vez enfrentamos animais vikings chamados "Snowmads" e um inverno gelado que subitamente invadiu a DK Island. Para além de Diddy e Dixie Kong desta vez temos o veterano Cranky Kong como personagem jogável, utilizando a sua bengala para enfrentar diversos desafios.

Um dos grandes anúncios desta apresentação foi NES REMIX, já disponível para Wii U através da eShop, um jogo que utiliza elementos-chave de 16 títulos da NES para criar novos desafios, adicionando algumas novidades, e dá sempre ênfase ao melhor que cada um deles tem para oferecer. O jogo vem preparado com muita nostalgia e tira partido de algumas mecânicas atuais como as do Miiverse, onde podemos partilhar as nossas façanhas.

Também já disponível encontra-se a modalidade de Golfe em Wii Sports Club que transmite uma sensação ainda mais realista do que era possível no Wii Sports original. Nesta nova versão, para além dos modos online disponíveis também nas outras modalidades na Wii U, poderemos usar o GamePad para controlar melhor a direção da nossa tacada. Todos os campos de Wii Sports estão de volta, juntamente com um novo campo de nove buracos baseado no título Golf US Course da NES. Tal como nos anteriores desportos podem experimentar a modalidade de Golfe durante 24 horas juntamente com os outros 2 desportos, mesmo se já deram uso às 24 horas disponíveis para teste.

E porque o ano é de Luigi temos mais um título que dá destaque ao irmão mais trapalhão. Dr. Luigi é uma nova versão da série Dr. Mario, que será lançado (curiosamente) no ano posterior ao seu, a 15 de janeiro. Para além da mecânica de jogo tradicional a que já estamos bem habituados, é introduzido um novo modo em que usamos cápsulas em forma de "L", que na realidade são 2 cápsulas coladas com cores seguidas, o que facilita bastante a eliminação dos vírus no nível, mas para criar algum desafio podemos aumentar a dificuldade e já não temos estas cápsulas da mesma cor.

Houve ainda novidades relativas a Sonic Lost World para a Wii U, que terá dois novos conteúdos adicionais gratuitos para os fãs de Sonic e da Nintendo. O primeiro já se encontra disponível, e coloca Sonic no universo de Yoshi's Island, enfrentando característicos inimigos como Masquitos e Plantas Piranhas, para além de elementos de cenário como os canos, moedas e flores de Yoshi's Island, de modo a resgatar ovos de Yoshi. O segundo conteúdo estará disponível no início do próximo ano, e a única pista é que teremos um link sobre o assunto mais tarde.

De modo a celebrar a entrada da Nintendo 3DS no serviço NNID foi lançada a promoção "Adere à Nintendo Network" que oferece um Código de Download de Super Mario Bros. Deluxe do serviço da Consola Virtual da 3DS. Numa nota: quem já tenha registado a sua consola está também apto.

Tivemos ainda outras novidades associadas a promoções: Super Mario Bros. 3 será lançado na eShop da 3DS e Wii U em 26 de dezembro a preço reduzido; também durante as próximas semanas teremos bastantes jogos com promoções especiais na eShop da Wii U e 3DS, por isso convidamos a todos a visitar as respetivas lojas para ficar a saber mais!

Para terminar este Nintendo Direct em grande tivemos ainda dois novos trailers de dois títulos a serem lançados no próximo ano, com algumas novidades. O primeiro anunciou Rosalina e Luma como novos personagens para Super Smash Bros., que entraram em grande após Kirby decidir participar numa corrida contra os restantes personagens de Mario Kart na Rainbow Road.

Para finalizar ficamos com um novo trailer de Mario Kart 8 para abrir o apetite para a primavera de 2014, época em que será lançado o jogo. Ficamos a conhecer novas pistas deste jogo, como um aeroporto, uma volta pelo deserto, um nível onde exploramos um templo, uma no topo das nuvens e ainda um pista muito apetitosa. Estão também de regresso quatro jovens personagens, Baby Mario, Luigi, Peach e Daisy, e a continuar a sua onda de popularidade, Rosalina volta também às pistas neste novo título

Para quem não conseguiu acompanhar esta Nintendo Direct ficam com o vídeo da apresentação na íntegra em baixo. Entusiasmados com as novidades de hoje?

Ler Mais >