Notícias

Análises

21 de novembro de 2013

Street Gangs


Extremamente popular no Japão, onde assume o nome de River City Ransom, Street Gangs foi lançado recentemente para a Virtual Console da 3DS. Criado pela Technos em 1989, foi o terceiro jogo de uma série que contava com Renegade e Super Dodge Ball como seus antecessores. 

Desenvolvido para a NES, este beat ‘em up conta-nos a história de Ryan e Alex, que enfrentam cara a cara a pior escumalha de River City. Ambos os jovens, alunos do secundário, tentam salvar o seu liceu ao mesmo tempo que procuram resgatar a namorada de Ryan, Cyndi. A história, embora básica e standard para os jogos do género, não é o que nos fará jogar o mesmo. A verdade é que Street Gangs é um beat ‘em up no qual são introduzidos certos elementos apenas existentes em RPGs. É possível ao jogador visitar as inúmeras lojas e restaurantes espalhadas por River City. Lá, podemos comprar items, usando o dinheiro deixado pelos rufias que vamos vencendo pelo caminho. Esses itens vão desde comida tradicional japonesa, a uma revista de comics e têm efeitos que variam, podendo ir de uma aumento na barra de energia da nossa personagem, à obtenção de novos movimentos de luta. 


Outro aspeto que faz Street Gangs distinguir-se dos restantes jogos do género é a existência de um mundo aberto no qual Ryan e Alex se vão movimentar. Street Gangs é, todo ele, um único nível massivo repleto de diferentes gangues e de encontros com os bosses ocasionais. Para além dos punhos e pontapés, as nossas personagens podem apanhar armas deixadas cair pelos seus adversários (chicote, bastão, etc…) ou mesmo objectos perdidos no chão, como caixotes, pneus ou rodas. Com uma mecânica muito semelhante à do mítico Double Dragon, Street Gangs não é um jogo difícil, se evoluirmos os atributos da nossa personagem a um nível constante.


Não devemos tentar alcançar o final do jogo depressa. Temos que perder algum tempo a lutar contra os mesmos adversários de forma a chegarmos aos seus chefes com força o suficiente para os vencermos. Os diferentes gangues são distintos pela coloração das suas camisolas. Nunca teremos mais do que dois adversários a surgirem no ecrã, por se tratar de um jogo da NES. No entanto, e o ponto no qual Street Gangs se destaca das restantes ofertas na Virtual Console da 3DS é na sua componente multiplayer. É possível a dois jogadores tirarem partido do jogo simultaneamente, ainda que apenas um o possua de facto. Isto é, sem dúvida alguma, uma mais-valia que vem acrescentar uma maior longevidade e interesse a um jogo bastante ambicioso para a altura. 


O resto das já tradicionais funcionalidades da 3DS, nomeadamente a possibilidade de guardar o jogo a qualquer momento e em qualquer altura, o que vem complementar o sistema de gravação por passwords, já existente de raiz. Contudo, Street Gangs não é só vantagens. A maior desvantagem do jogo está precisamente na sua linearidade. O facto de Street Gangs ser, todo ele, um enorme nível, torna a sua progressão algo maçadora. A repetição dos cenários citadinos leva, também ela, à sensação de estar sempre a passar no mesmo lugar. Não obstante, Street Gangs é um bom jogo. Sobretudo se for jogado a dois. É uma lufada de ar fresco para a Virtual Console da 3DS que aconselho toda a gente a experimentar.