Notícias

Análises

9 de outubro de 2013

Pokémon Rumble U


A série Pokémon Rumble teve o seu início na Wii e surgiu como um jogo que aproveitava os modelos 3d dos pokémon feitos para My Pokémon Ranch, mas colocava-os em batalha, num género de jogo beat-em-up com um simples objetivo: vencer o boss e chegar ao fim. Após passar pela 3DS a série chega à eShop da Wii U com Pokémon Rumble U.

A premissa é bastante simples: pequenas figuras pokémon movidos à corda, que saem de bolas pachinko (pequenas cápsulas vendidas em máquinas onde colocamos uma moeda e recebemos um boneco aleatório) enfrentam-se em diversas arenas onde mais de 100 pokémon podem estar a lutar ao mesmo tempo. Inicialmente começamos com Pikachu e o trio de Pokémon Black e White: Snivy, Tepig e Oshawott, e embora a história seja estes quatro pokémon que se encontraram longe da loja de brinquedos a que pertecem, basta uma batalha para conseguir novos pokémon.

Pelo caminho atravessamos diversas arenas, das mais simples às cheias de armadilhas e decorações, elementos que alteram um bocado o modo como jogamos, mas no fundo não fundamentais para a nossa vitória, ou derrota. Cada arena conta com bastantes pokémon para derrotar e (com sorte) juntar à nossa coleção, e no fim da batalha surge um pokémon Boss, bastante maior que os anteriores, e alguns deles têm até direito a um pequeno destaque na história do jogo.

Algo que ajuda a tornar o jogo mais empolgante é a banda sonora, que embora simples acaba por ficar no ouvido e ajudar muitas vezes na temática geral do jogo e nos níveis que atravessamos. Visualmente o jogo é bastante incoerente, pois embora as arenas estejam bonitas (mesmo que simples) já os pokémon estão demasiado desinteressantes, pois são apenas uma nova reciclagem dos mesmos modelos que já existia nos jogos anteriores, acrescentando apenas alguns pokémon.

Este jogo tirou ainda partido da tecnologia NFC presente no GamePad da Wii U e foram lançados alguns bonecos pokémon para usar no jogo. Infelizmente estes não foram lançados no mercado português, algo infeliz pois este foi o primeiro jogo da Nintendo a tirar partido desta tecnologia. Ainda outro método de conseguir mais pokémon é através de passwords que foram oferecidos de diversos modos.

O jogo não requer muita perícia por parte dos jogadores, onde até 4 podem jogar co-operativamente ao mesmo tempo e enfrentar inimigos em conjunto. Cada pokémon tem 2 ataques e quem usar o Game Pad pode ainda usar o ecrã táctil para apanhar os diversos itens que vão aparecendo na arena, ou tirar partido do Touch Blast, onde após recolher cristais amarelos suficientes podemos causar uma explosão com um simples toque no ecrã, ajudando-nos bastante nas batalhas. A mecânica principal dos elementos de Pokémon continua presente, onde os ataques super-efetivos são extremamente úteis, e para além de ataques temos movimentos que nos aumentam a velocidade, ataque ou defesa, tal como na série principal.

Embora tenhamos disponíveis todos os pokémon da primeira à quinta geração acabamos por usar o pokémon mais forte que temos, este que aparece mais próximo do ecrã numa lista que rapidamente se torna desorganizada devido à muita facilidade que temos em ter vários pokémon, a maioria repetidos. A "estratégia" na maior parte do jogo é desviar dos grupos de pokémon e usar constantemente um ataque, até destruir tudo o que nos aparece à frente, e embora o jogo coloque um contorno colorido no nosso personagem é muito fácil ficar confuso no meio da batalha.



Um jogo para os fãs de pokémon, mas que traz pouco conteúdo e torna-se demasiado repetitivo pois decorre apenas em arenas, eliminando os níveis mais prolongados que tínhamos nos jogos anteriores. Mesmo com mais 3 amigos há muito pouco que torne o jogo interessante, mas longe de estar terrível, pois oferece curtas sessões de caos destrutivo que podem entreter.