Notícias

Análises

26 de setembro de 2013

Summer Carnival '92: Recca

Summer Carnival 92: Recca é um scrolling shooter lançado em 1992 para a Famicom, pela Naxat Soft. Recca foi feito para comemorar precisamente o Summer Carnival a que faz referência no seu título. Puxando o hardware da Famicom ao máximo, com os seus múltiplos sprites disponíveis no ecrã simultaneamente, enquanto mantinha a velocidade do jogo, Recca foi um dos últimos jogos a ser feito para a velhinha 8 bits da Nintendo e, talvez por isso, tenha ficado por terras nipónicas. Só este ano é que Recca conheceu o seu lançamento europeu via a Virtual Console da 3DS. Sem uma história visível, Recca atira-nos para os controlos de uma nave muito frágil enquanto nos esforçámos por evitar, a todo o custo, o fogo inimigo.

Recca tem três modos de jogo distintos. No modo normal, teremos que atravessar quatro níveis distintos e derrotar o boss final do jogo, tendo em vista vermos a conclusão do mesmo. Embora pareça pouco, pelos standards actuais e mesmo quando comparado como outros shooters do género, os níveis de Recca são bastante extensivos e muito difíceis de bater. Para além da enxurrada de inimigos que nos surgem no ecrã, cada nível tem, no mínimo, dois bosses. Como podem ver, Recca não é nenhum passeio no parque. Muito pelo contrário. Disponíveis estão também o modo Time Attack, no qual tentaremos obter o melhor tempo possível, e o modo Score, onde o objectivo passa por estabelecer a pontuação mais alta. A nossa nave, embora susceptível de ser obliterada com apenas um disparo inimigo, tem à sua disposição um potente e vasto arraial de armas.

Para além da nossa arma básica, temos homing shots, que procuram os inimigos, a bomb, um grande disparo massivo, entre muitos outros. Aos upgrades que podemos obter para a arma principal, juntam-se as armas secundárias que vagueiam pelo ecrã e que são, por si, extremamente úteis. Com elas, a nossa nave pode ficar protegida de todos os ângulos. Contudo, basta um toque apenas para a nave ser destruída e os upgrades perdidos. Com gráficos de ponta para a Famicom, Recca, que tem uma vasta variedade de inimigos distintos, sofre com o já tradicional flickering dos sprites que surgem no ecrã. Como a quantidade de coisas a surgir no ecrã é grande, por vezes, estes desaparecem temporariamente, o que pode desorientar o jogador, num jogo que de si já é bastante desafiante.


Recca possui uma banda sonora estimulante, que ganhou, inclusive, o seu próprio CD de música no Japão. No geral, e visto tratar-se de um jogo raro de encontrar em formato físico, esta versão de Recca é algo a aproveitar. Tenham em atenção, contudo, que a sua dificuldade extrema agradará apenas aos mais persistentes e pacientes dos jogadores.