Notícias

Análises

16 de maio de 2013

Splash or Crash


Por vezes um conceito extremamente simples dá origem a um jogo, e muitas vezes surge no género de jogos de puzzles e são bem sucedidos. Splash or Crash insere-se perfeitamente neste espírito, e é um simples jogo inspirado no acto de atirar pedras (ou moedas) ao poço dos desejos, mas vai para além disso e traz-nos bastantes surpresas.


Este jogo é ideal se quisermos ter uma sessão muito rápida de jogo, mesmo de 5 ou 10 minutos, e o desafio está em conseguir completar o nível sem destruir a nossa pedra (ou outro objeto que seja), para que ela chegue ao fim do poço, atingindo a água. Claro que não seria um jogo se não houvesse desafio, e em cada nível contamos com inúmeros obstáculos, como placas de madeira, troncos, biombos, e até mesmo elementos mais bizarros como bolachas e fatias de pizza. Ao colidir com estes objetos perdemos HP, mas felizmente existem espalhados nos níveis balões que recuperam energia.

À medida que vamos jogando vamos desbloqueando novos níveis e novas pedras (objetos) para atirar para o fundo do poço, cada um deles com características próprias. Uma pedra é mais frágil que uma bola de ferro, mas também a sua dimensão reduzida é ótima para melhores manobras, o que nos ajuda a ter melhores tempo. Para nos ajudar em cada nível temos donuts (sim, o bolo) que ao passar pelo seu centro aumenta a velocidade da nossa pedra, para melhores tempos, e através do StreetPass podemos trocar os nossos tempos com quem nos cruzamos, dando assim algum desafio.


A sensação de velocidade é algo sempre presente, e por vezes parece que em vez ser uma pedra a cair no poço, estamos a comandar um veículo a viajar no espaço. Esta velocidade é acompanhada por níveis que por vezes são bastante surreais, como poços que atravessam paredes de lava, enfrentam fortes ventos e parecem ir em direção ao centro da terra! A música do nível acompanha bem o jogo, mas infelizmente a banda sonora é extremamente limitada.


O jogo tem ainda algum carisma interessante. No início de cada nível temos uma breve introdução, um breve relato da(s) personagem(ns) que mudam consoante a pedra que escolhemos, que nos apresentam problemas bastante comuns (ou não). Uma nota extra sobre o sentido de humor, que é bastante direto se pensarmos no conceito do jogo, que nos congratula com um "Well done!" caso chegarmos ao fim, ou um "Oh well…" caso não corra tão bem.