Notícias

Análises

27 de março de 2013

Lego City Undercover

O Chase McCain é o maior! Considerado um herói em Lego City por ter ajudado a capturar o temível criminoso Rex Fury, Chase é chamado de volta à cidade quando o vilão escapa da prisão... e não é só a cidade que está em perigo, mas também a sua amada Natalia Kowalski! Se nunca ouviram falar destes personagens antes, não se preocupem: em Lego City Undercover ficarão a conhecê-los juntamente com muitos outros, numa história completamente original da Lego e uma grande aventura para a Wii U.


Uma vez que a comparação é inevitável, o melhor é começar por aí: Lego City Undercover é o Grand Theft Auto (GTA) em Lego. Obviamente, uma versão muito mais adequada às crianças e com um humor muito mais leve, mas sem deixar de agradar aos adultos. O chamariz é o mesmo truque dos bons filmes de animação com aquelas piadas que só os pais percebem, pelo meio das piadas fáceis dirigidas aos mais novos. O jogo oferece um mundo e jogabilidade completamente abertos, dando enorme liberdade ao jogador para fazer o que bem lhe apetecer. No entanto, não é necessário roubar carros, pois o herói é um polícia! Basta utilizar o apito e as pessoas travam imediatamente para Chase levar a viatura!
De facto, basta não seguir o primeiro objectivo que é dado quando se começa um novo jogo para se poder gastar horas a explorar o mundo sem sequer ter começado a história. Então, qual é o incentivo? Além do enredo em si, que é bastante divertido, é a progressão na história que desbloqueia novas habilidades: para investigar o caso do Rex Fury, Chase McCain terá de se infiltrar em várias localizações utilizando diversos disfarces, desde o polícia à paisana ao bombeiro ou agricultor. Cada um destes disfarces dá-lhe diferentes capacidades de interacção com o cenário, o que será crucial para o cumprimento das missões que são atribuídas ao herói.

Mas um jogo Lego deste calibre não seria a mesma coisa sem uma grande vertente de personalização. Embora não seja possível fazer construções livremente (as que existem são sempre automáticas e já fazem parte do jogo), há uma variedade impressionante de elementos que se podem utilizar para mudar o aspecto do personagem, podendo-se alterar cada um dos disfarces de Chase McCain: um ladrão com avental de cozinheiro e uma máscara de gorila? Perfeitamente possível!

Como é habitual neste estilo de jogos, há imensa coisa para fazer. Em cada canto há alguma coisa escondida, seja um minijogo rápido ou uma aventura que nos leva inconscientemente numa volta enorme. Tudo no jogo parece lutar pela atenção do jogador, o que faz com que haja sempre novas possibilidades, mas também pode distrair de alguns objectivos. Infelizmente, nem sempre as missões são capazes de captar a atenção tão bem como outros aspectos do mundo do jogo: por cada missão que nos leva em grandes acrobacias, há também uma em que temos de procurar um objecto perdido no cenário, ou juntar peças lego para fazer uma construção. Ainda assim, o humor está sempre presente e faz com que valha a pena prosseguir mesmo nas missões mais ingratas. 
Tendo sido desenvolvido de raiz para a Wii U, o jogo tira partido do GamePad para ter sempre presente o mapa da cidade, com funcionalidades de GPS e muito mais. O comando simula um dispositivo electrónico da polícia com intercomunicador vídeo, detecção de objectos via infravermelhos e até escuta de conversas. O intercomunicador está particularmente bem conseguido, com a voz dos personagens com quem falamos através dele a sair das colunas do GamePad – transmite realmente a sensação de estar a segurar o mesmo objecto que o personagem na televisão! Já a nível gráfico, o jogo cumpre todos os requisitos mínimos e representa na perfeição um mundo imaginário onde as construções, os veículos e os habitantes são feitos em Lego, onde até podemos reconhecer alguns conjuntos que existem à venda no mundo real. Menos impressionante é o tempo perdido em loadings, que felizmente são pouco frequentes mas, quando aparecem, duram uma pequena eternidade.


Há um aspecto do jogo que merece um destaque especial: a localização em Português. Sendo este um jogo onde não há um único balão de texto, a quantidade de falas existentes no jogo é enorme. Embora seja possível escolher o idioma do jogo, recomenda-se vivamente a versão portuguesa, na qual os actores fizeram um trabalho extraordinário! Em vez de simplesmente colocar um nome famoso na capa do jogo, a Nintendo contratou uma equipa verdadeiramente talentosa para dobrar as falas dos personagens que não se limitou a traduzir, mas adaptou os diálogos à nossa realidade, incluindo os sotaques regionais que nos fazem lembrar os bons tempos de adolescência a ver episódios de Dragon Ball! É, de facto, uma versão deliciosa e que nos prende completamente ao jogo.


Lego City Undercover é uma grande aventura com horas de história e ainda mais de simples exploração livre que irá agradar tanto a miúdos como a graúdos, mesmo que seja por motivos diferentes. Um jogo cheio de surpresas e até mesmo referências à cultura pop das últimas décadas, com um conjunto de personagens originais e bastante divertidos, baseado num universo que marcou e continua a marcar a infância de milhares de crianças em todo o mundo.