Notícias

Análises

4 de janeiro de 2013

Professor Layton and the Miracle Mask


A série Professor Layton nasceu na Nintendo DS e rapidamente se tornou uma das mais populares e emblemáticas da consola. Com uma trilogia completa de jogos e um outro que serve de prequela, Professor Layton and the Miracle Mask é o primeiro jogo da saga na Nintendo 3DS e, também por isso, o mais refrescante desde o original Curious Village.

A história passa-se após os acontecimentos de Specter's Flute, numa cidade no meio do deserto chamada de Monte d'Or, que está a ser vítima dos "milagres" causados pelo misterioso Masked Gentleman. Acompanhado pela sua assistente Emmy Altava e o aprendiz Luke Triton, Layton decide investigar os incidentes nesta cidade que lhe traz memórias da sua juventude. Aqui ficamos a conhecer a primeira grande aventura de Hershel Layton e a forma como descobriu o interesse pelos puzzles e arqueologia, num interessante conjunto de capítulos em flashback.

A principal novidade que salta à vista neste jogo é o seu aspeto gráfico, completamente remodelado e com os personagens agora em modelos 3D. Apesar dos cenários continuarem a ser desenhados em 2D, a forma como são apresentados para tirar partido do efeito 3D da consola é realmente impressionante, fazendo deste um dos jogos mais bonitos da Nintendo 3DS. A forma de interagir com os cenários também mudou, estando disponível um mapa no ecrã tátil para navegação entre locais diferentes e uma função de trackpad para deslocar o cursos e investigar os cenários no ecrã superior. Como seria de esperar, também a banda sonora é de excelente qualidade, num título com imensas sequências de animação acompanhadas pelo voice acting de topo a que já estamos habituados.

Como não poderia faltar num jogo da série, há uma enorme quantidade de puzzles disponíveis, com um total de 150 diferentes para encontrar na história principal. Além disso, ao longo de um ano desde o lançamento do jogo, serão lançados 365 puzzles novos como extra – estes funcionam mais como tradicionais quebra-cabeças em diversos níveis de dificuldade, mas são um ótimo passatempo e um bom motivo para regressar ao jogo muito tempo depois de se acabar a história. O próprio modo de história, no entanto, pode incluir algumas surpresas na forma de apresentar certos puzzles que trazem uma boa sensação de novidade à aventura.

Apesar de ser o primeiro na 3DS, este é também já o quinto jogo da série e, ao mesmo tempo, o segundo de uma trilogia que é prequela de outra trilogia (uma espécie de Star Wars - Episode II). Com tudo isto, é difícil criar uma história que agrade aos fãs de longa data mas seja completamente acessível aos que jogam pela primeira vez um Professor Layton. Ainda assim, conseguiram fazê-lo muito bem ao desenvolver uma história principal de fundo com referências aos outros títulos da saga, sem nunca se sobrepor à história isolada deste título acerca do Masked Gentleman e a cidade de Monte d'Or. Esta pode ser algo previsível para quem já está habituado aos enredos da série, mas nunca é demasiado pretensiosa e tem um papel muito importante em deixar um conjunto de pistas e perguntas para o que aí vem, o sexto (e final?) jogo da saga Professor Layton.


No final de Miracle Mask, fica a sensação de uma história muito bem contada e uma aventura bastante equilibrada, puzzles interessantes e que nos ficam na cabeça até descobrirmos a sua resolução. Com o salto para a nova consola, houve também um grande salto de qualidade em termos de apresentação e possibilidades de interação a nível de jogo que foram bem aproveitadas. Um jogo que conta uma boa história a quem gosta de puzzles e faz com que os apreciadores de histórias se interessem por puzzles, acompanhados por uma chávena do melhor chá.