Notícias

Análises

6 de dezembro de 2012

Nintendo Land

O lançamento de uma consola deve ser sempre acompanhado por um jogo que a apresente, ou melhor, que a represente. Capaz de mostrar as novidades que a plataforma tem para oferecer e diferenciá-la das restantes. O lançamento da Wii U foi acompanhado pelo jogo Nintendo Land, que faz tudo isso e muito mais: colocando todos estes factores à parte, Nintendo Land é um verdadeiro parque de diversões para todos os jogadores, assim como para a sua família e os seus amigos.
Começando por esclarecer uma ideia fácil, mas completamente errada: este não é o "Wii Sports" da Wii U. Se a comparação possível é que ambos foram feitos para mostrar as novidades da consola, as semelhanças acabam por aí. Nintendo Land, construído à volta do conceito de um parque temático da Nintendo, contém 12 grandes atrações (entenda-se: minijogos) inspiradas em diferentes séries como Super Mario, Legend of Zelda ou Metroid, sendo que todas oferecem uma forma diferente de jogar que não seria possível numa consola tradicional. Os três principais conjuntos de atrações dividem-se em jogos A Solo (um jogador), Cooperativos (um a cinco jogadores) e Competitivos (dois a cinco jogadores).


Metade das atrações deste parque são dedicadas a um jogador. Todas dão uma utilização diferente ao GamePad, explorando diferentes funcionalidades. Assim, tão depressa se estará a utilizar o comando para disparar estrelas em direcção aos alvos que se encontram na TV, como a fazer de volante numa pista de corridas alucinante, ou utilizar botões em conjunto com movimentos para fazer a "dança do polvo". Todos os jogos são experiências simples, mas desafiantes e com mais conteúdo do que salta à vista da primeira vez – Nintendo Land recompensa os jogadores pela sua dedicação, não só nos jogos para um jogador mas também nos cooperativos. A experiência "a solo" não tem de ser solitária e, por isso, todos estes jogos têm um modo de suporte para quem se quiser juntar, bastando apontar um comando Wii à TV para poder ajudar.


Os jogos cooperativos são os que oferecem a experiência mais consistente e os que mais se aproximam de jogos tradicionais, mesmo usando um sistema de controlo inovador. Aqui há várias sequências de níveis para explorar e até mesmo bosses para derrotar, seja a solo ou em modo cooperativo para desde 2 até 5 jogadores. Aqui é explorada a jogabilidade assimétrica que a Wii U pode oferecer, dando ao jogador que usa o GamePad um papel diferente do que é atribuído aos jogadores com comandos Wii (nota: o jogo inspirado em Metroid requer também o Nunchuck para os comandos Wii). O trabalho de equipa é fundamental, especialmente nos níveis mais avançados onde a dificuldade é bem considerável.


Já os jogos competitivos revelaram-se os mais divertidos de todo o conjunto. Estas atrações requerem pelo menos dois jogadores, mas são especialmente geniais quando jogadas a cinco, tudo isto graças à jogabilidade assimétrica utilizada para aplicar o conceito "um contra todos". Há ainda uma característica fantástica que é a forma como é promovida a interação entre os jogadores – em todas estas atrações, o jogador que usa o GamePad tem mais informação no seu ecrã do que os restantes na televisão, o que faz com que os adversários tenham de se unir e trocar informações entre si para alcançar o objectivo. São estes três jogos as verdadeiras estrelas do multijogador em Nintendo Land, apesar de serem também aqueles em que a Nintendo menos investiu na criação de cenários de jogo.

Existe ainda um modo de jogo adicional que faz a ligação de todas estas atracções e organiza um torneio para até 5 jogadores, fazendo a gestão de quem irá controlar o GamePad e quem será desafiado no próximo jogo, fazendo com que até os jogos para só um jogador possam ser divertidos para jogar numa sessão em família ou com um grupo de amigos.

O que faz de Nintendo Land muito mais do que uma compilação de minijogos é a forma consistente como tudo se liga neste conceito de parque temático, construído à volta de uma praça onde vão sendo desbloqueados pequenos brinquedos tirados diretamente das atrações e por onde passeiam personagens Mii de jogadores de todo o mundo, cada um apresentando os seus troféus e os jogos favoritos, assim como mensagens deixadas no Miiverse acerca do jogo. A rede social da Wii U foi integrada de forma excelente neste título, permitindo deixar comentários relativos a cada uma das atrações e, criando assim uma verdadeira sensação de comunidade online dentro de um jogo que se quer com vários amigos por perto.


Mesmo para quem não compre uma Wii U com o jogo já incluído, Nintendo Land é uma compra obrigatória. É um jogo para todos sem ser um jogo para "qualquer um", simples e fácil de pegar para experimentar mas difícil de superar como os velhos jogos da Nintendo sabiam ser. Um jogo que, mesmo nos modos competitivos, promove a união entre os jogadores. É ainda um grande tributo a várias das grandes séries da Nintendo, recheado de pormenores que vão fazer as delícias dos fãs, incluindo a banda sonora que faz um misto perfeito entre o moderno e o retro. Um título que conquista imediatamente aqueles que o experimentam e um dos "party games" mais divertidos dos últimos anos!