Notícias

Análises

3 de maio de 2012

Jump Ultimate Stars


"Quem é mais forte, Son Goku ou Naruto? Luffy ou Ichigo?" Este tipo de questões surgem sempre quando discutimos uma possível luta de super-heróis da banda desenhada, e aqui os videojogos são um bom método de tirar teimas. Por este motivo, as famosas personagens da Weekly Shonen Jump, muitas delas com séries de animação que ainda são transmitidas por todo o mundo, defrontam-se pela segunda vez na Nintendo DS. Este jogo só é possível importando, pois apenas se encontra em japonês e o seu lançamento sempre foi impossível, mas ainda assim é perfeitamente jogável (ainda melhor com o recurso a um guia online), com a excepção de alguns modos onde saber japonês é obrigatório.


A jogabilidade é simples: até 4 jogadores defrontam-se numa arena repleta de plataformas (baseadas nas diversas séries), um pouco ao estilo Super Smash Bros., em que derrotamos os nossos adversários ao atirá-los fora da arena ou tirando a vida do mesmo. Cada personagem está associada a uma natureza (Conhecimento, Força e Comédia) inseridos num sistema de Pedra/Papel/Tesoura, e todos os seus ataques são fieis às 41 séries representadas, sejam de personagens jogáveis ou apenas que assistem (que são invocadas). Existem ainda itens que aparecem nos cenários que funcionam como power-ups.


Antes de jogar temos de criar uma equipa onde podemos colocar os nossos favoritos, distribuindo os koma ("quadrados" da banda desenhada) no ecrã tátil, numa espécie de puzzle, num painel de 4 por 5 quadrados. Os personagens que ocupam 1 quadrado são de ajuda, que funcionam ao estarem colocadas juntos a outros quadrados com quem possam ter ligações (por exemplo, Son Gohan com Coraçãozinho de Satã); os que ocupam de 2 a 3 quadrados são de suporte, que podem ser invocados para ajudar na luta, e os com 4 ou mais quadrados são personagens jogáveis. Este sistema permite equilibrar as batalhas, onde podemos decidir se queremos mais quantidade ou qualidade de personagens, pois quanto maiores os koma, mais fortes são as personagens.


Temos diversos modos de jogo, onde o principal, o modo história, funciona como uma espécie de arcade (com missões) que viaja entre os diversos universos Jump, que ao entrar em cada um deles temos uma pequena introdução à série com o recurso a conhecidas sequências do manga. Existem ainda modos de luta multi-jogador que colocam as nossas equipas de sonho contra outros, e até uma espécie de Trivial Pursuit, não aconselhado para quem não saiba japonês. Infelizmente a banda sonora não nos relembra das séries apresentadas, e o jogo não contém vozes, embora isto possa ser uma questão de direitos de autor.


Existem inúmeros jogos que nunca nos chegam às mãos devido à não distribuição no ocidente, por decisões económicas ou falta de visão por parte de quem os desenvolve e publica. Este não é o caso, pois enquanto que no Japão as licensas das séries estão nas mãos da Jump, no ocidente as licensas estão distribuídas por grupos diferentes, que mudam até entre países, impossibilitando o seu lançamento. São muitas as séries conhecidas, tais como Dragon Ball, Saint Seiya (Cavaleiros do Zodíaco), Naruto, One Piece e Bleach, todas focadas em luta, mas séries como Death Note, Captain Tsubasa ou Eyeshield 21, que não se focam em luta, conseguem ter aqui espaço. Para qualquer amante de manga ou animação japonesa, é um título recomendado para importar!