Notícias

Análises

19 de abril de 2011

Praça Mii StreetPass


A Praça Mii StreetPass é, provavelmente, o maior jogo da Nintendo 3DS. Dizer isto de uma aplicação gratuita, integrada no software da consola desde o lançamento, pode parecer um exagero... mas não é. Criado com o intuito de demonstrar possíveis utilizações para o modo StreetPass, acabou por tornar-se uma experiência integrada da consola e o principal motivo para a transportar no dia-a-dia, mesmo quando não se tenciona parar para jogar. Isto porque é nesta praça que se encontram os personagens Mii dos jogadores com quem nos cruzamos pelo caminho no dia-a-dia. Mas não é tudo...


O modo StreetPass é uma das principais funcionalidades da Nintendo 3DS. Enquanto a consola estiver ligada, ou em modo de descanso, fica continuamente à procura de outras consolas com as quais possa partilhar informações. É uma forma de comunicação passiva entre jogadores que surgiu inspirada no "Tag Mode" de jogos da Nintendo DS como Nintendogs e Dragon Quest IX mas, no caso da 3DS, não é necessário sequer ter o jogo na consola: basta o jogador activar esta função nos jogos pretendidos. 


Na Praça Mii StreetPass, o jogador tem a possibilidade de escolher um personagem Mii criado no editor da consola e atribuir-lhe um perfil público. Este personagem irá viajar para as praças das consolas que encontre pelo caminho, e o Mii partilhado por cada uma destas irá juntar-se neste jogo. Fica assim guardado na consola um registo das diferentes pessoas por quem esta se cruzou e que jogo elas tinham jogado mais recentemente. Embora isto já tivesse o seu interesse por si só, a Nintendo integrou duas actividades que aumentaram bastante o valor total deste jogo.

Troca-Puzzle

O modo Troca-Puzzle é bastante simples. Utilizando as Play Coins da 3DS (que são adquiridas ao transportar a consola durante o dia), é possível adquirir pequenas peças de vários puzzles relacionados com séries famosas da Nintendo. Ao juntar as peças suficientes para completar um painel, será desbloqueada uma surpresa em 3D relacionada com a imagem que foi revelada. Ao encontrar outros personagens Mii via StreetPass, estes irão oferecer uma peça de puzzle à escolha, o que pode ser extremamente útil para completar os painéis.


O Resgate do Mii

Também conhecido como StreetPass Quest, este jogo é a principal atracção da Praça Mii StreetPass e consiste numa espécie de RPG casual. O Mii do jogador (um rei importantíssimo por aquelas bandas) foi raptado e aprisionado numa torre guardada por temíveis fantasmas. Para salvar o rei Mii, compete ao jogador encontrar aventureiros dispostos a enfrentar estes monstros. É possível convocar um Mii acabado de chegar à praça via StreetPass para esta aventura e também recrutar viajantes com as Play Coins. Neste caso, os viajantes terão a divertida forma de um cruzamento entre Miis e animais com olhos esbugalhados. Formada uma equipa, parte-se para a batalha.

Os combates são realizados por turnos, em que cada aventureiro pode usar a espada ou uma magia contra os fantasmas. No entanto, os aventureiros cansam-se facilmente e fogem assim que um fantasma os tente atacar, pelo que é necessário encontrar a melhor estratégia e decidir a ordem pela qual eles irão atacar. Sempre que os fantasmas de uma sala são derrotados, pode aparecer um tesouro com um chapéu. Este pode ser utilizado depois pelo Mii na praça, para que todos vejam via StreetPass. Ficando sem heróis, é necessário voltar ao recrutamento. Isto faz com que um jogo que duraria apenas uma hora tenha uma longevidade incalculável: não só levará tempo a salvar o rei, a colecção de todos os chapéus implicará repetir o jogo várias vezes ao longo da vida da 3DS. Tudo isto, para andar nas ruas com um chapéu mais raro que os dos outros jogadores.


"Será que vou encontrar personagens hoje? O que estariam a jogar? Será que têm a peça do puzzle que me falta? Será desta que vou derrotar aquele fantasma?"

A Praça Mii StreetPass é um jogo de aventura. Uma aventura feita nas ruas, no dia-a-dia, recheada de encontros inesperados. Alguns terão dificuldade em encontrar outros personagens Mii para a sua praça, outros descobrirão personagens de pessoas que trabalham ou estudam no mesmo local, ou que partilham o mesmo meio de transporte... nunca se sabe quem se irá encontrar. Mas são estes desconhecidos que trazem a sensação de surpresa e inesperado, mesmo com uma partilha de informação bastante restrita para não causar preocupações com problemas de privacidade. É um jogo simples mas quase sem fim, que irá durar tanto quanto a própria consola. Ainda por cima, não só é gratuito como já vem integrado na 3DS. Basta abrir a aplicação, escolher um Mii e partir para a aventura!

Ler Mais >

15 de abril de 2011

Nintendogs + Cats


Um dos jogos que mais impressionaram ao mostrar o que a Nintendo DS seria capaz de fazer, revelando-se também um dos mais populares da consola, foi Nintendogs. O simulador de adoráveis cachorrinhos a que se podia fazer festinhas e ensinar truques com comandos de voz conquistou milhões de pessoas em todo o mundo. Não é surpresa, então, que a Nintendo tenha preparado um novo jogo para o lançamento da 3DS. Desta vez, não só é possível cuidar de cães em 3D, mas também ter gatos.


Nintendogs + Cats é um título extremamente apropriado. Quem já jogou Nintendogs terá aqui uma experiência semelhante (embora bastante melhorada graças às capacidades da consola), acrescida da possibilidade de ter também gatos. O jogo é um simulador de animais de estimação, essencialmente focado nos cães. O jogador tem direito a uma sala de estar (onde vivem até 3 cães e gatos em simultâneo) e interagir com os animais através do ecrã táctil, seja para brincar, treinar os cães ou dar-lhes banho, por exemplo. Cada animal tem uma personalidade distinta, mesmo até dentro das diferentes raças disponíveis. Alguns serão mais enérgicos, outros mais pachorrentos. Mas cuidar deles tem um custo: para comprar comida, brinquedos, decorações para a casa ou até mesmo novos animais no canil, é necessário dinheiro. E é esta parte que faz com que o jogo se torne mais interessante do que um mero "aquário" para cães e gatos.


Ao treinar o cão escolhido quando se inicia o jogo e outros que possam ser obtidos mais tarde, será possível levá-lo a 3 competições distintas. O Concurso de Disco consiste em atirar um frisbee para o cachorrinho apanhar e trazer de volta ao dono. A Corrida de Caça exige perícia em atrair o cão ao longo de uma pista de corridas com um chamariz. Finalmente, a competição mais interessante do jogo, a Prova de Obediência utiliza os cartões de Realidade Aumentada (incluídas com a consola) para demonstrar os truques que o cão já aprendeu. Os cartões RA podem ainda ser utilizados fora da competição, para brincar com o cão na palma da mão, ou em cima da secretária, por exemplo. Em qualquer momento do jogo, é possível tirar fotos e guardá-las no cartão SD, para depois partilhar ou ver na aplicação da câmara da Nintendo 3DS.


Há várias maneiras de levar o cão a passear. A mais tradicional envolve segurar o animal pela trela enquanto se passeia com ele. Pelo caminho, o cachorrinho pode encontrar outros com os respectivos donos, ir até ao parque ou ginásio para treinar, encontrar lojas com produtos raros à venda e até fazer as suas necessidades. A forma alternativa envolve deixar a consola em modo de descanso e, através do pedómetro, fazer o cão andar tantos passos quanto aqueles que o seu dono der com a consola no bolso. Durante todo o jogo, ou até mesmo sem o estar a utilizar, é possível conhecer novos animais de outros jogadores graças ao modo StreetPass. Este permite partilhar o personagem Mii do dono, encontrá-los a passear durante o jogo e até desbloquear novas raças das diferentes versões de Nintendogs + Cats.


Visualmente, este é um jogo espectacular. Não só o pêlo dos animais é bastante realista, mas também as animações são impressionantes. Especialmente quando se tem mais do que um animal em casa (por exemplo, um cão e um gato), observar a forma como eles reagem e interagem mostra que há por trás um enorme esforço em simular o comportamento dos cães e gatos do mundo real. Graças ao ecrã 3D, tudo isto ganha uma outra dimensão – é como se eles estivessem mesmo ali, tal como se diz nos anúncios da consola. De facto, a nível visual, é o jogo perfeito para ver (ou mostrar aos amigos) como funciona o 3D e também dos que melhor exploram os gráficos da 3DS no lançamento. Nem todos se interessarão por este género de jogo, muitos nem darão a oportunidade pelo preconceito de ser um jogo de animais. Mas os que experimentarem Nintendogs + Cats encontrarão uma experiência hipnotizante, ideal para jogar durante curtos espaços de tempo e com bastante regularidade ao longo do tempo.

Ler Mais >

13 de abril de 2011

Nintendo DS e 3DS: Principais lançamentos do 2º Trimestre, 2011


Foram anunciadas as datas de lançamentos de diversos jogos para DS e 3DS, que já há muito se aguardavam para o território Europeu. Para além do futuro update da Nintendo 3DS com a eShop, previsto para Maio, podemos contar com jogos que irão ocupar bastante o nosso tempo durante os próximos meses. São jogos que, para além de "relançar" a 3DS, nos relembram que a DS ainda está bem viva e ainda tem títulos fortes!

O lançamento mais esperado é a 17 de Julho, o The Legend of Zelda: Ocarina of Time 3D. O remake do clássico de 1998 da Nintendo 64, ainda considerado o melhor jogo da série por muitos fãs, e o melhor jogo de sempre da história (de acordo com os sites de ranking mais utilizados). Para além dos gráficos melhorados e do efeito 3D, o jogo tira também partido de outras funcionalidades da 3DS como o giroscópio, que nos permite explorar os cenários do jogo na primeira pessoa ou apontar para os inimigos, o que nos dá uma sensação mais realista da acção do jogo, funcionando apenas por instinto sem a necessidade de recorrer a miras (como já pudemos testar nos eventos de apresentação da 3DS). Sem dúvida, um título a não perder!


Mas enquanto esperamos, podemos também contar com outra fascinante aventura em Dragon Quest VI: Realms of Reverie, para Nintendo DS, com lançamento a 20 de Maio. O capítulo final na triologia de Zenithia que completa também a série de remakes para a DS, que fizeram chegar estes jogos pela primeira vez à Europa. Novos mundos a ser explorados com personagens carismáticas com quem facilmente nos envolvemos. Para adoçar o apetite aproveitem para ler as nossas análises de Chapters of the Chosen e Hand of the Heavenly Bride, capítulos IV e V respecticamente, e Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies, o nosso jogo favorito de 2010!


Também a 20 de Maio temos o lançamento do segundo grande jogo de luta para 3DS (mais virão), Dead or Alive: Dimensions, que sai pela primeira vez numa consola portátil (sob o formato de jogo de luta) e uma estreia em consolas Nintendo. Tal como Super Street Fighter IV 3D Edition, este jogo facilita a vida aos jogadores mais novatos através da utilização de atalhos para os ataques no touch-screen, que surgem sob a forma de uma lista. Podemos também contar com o StreetPass para lutas contra o CPU, o SpotPass que nos dará gratuitamente 34 novas roupas para as nossas personagens, todos os dias após o seu lançamento, e algumas surpresas curiosas.


Mas para um género de jogo menos violento (ou não), podemos contar com Steel Diver a 6 de Maio, um simulador de navegação de submarinos com muita acção e estratégia. O que começou por ser uma tech-demo para Nintendo DS chega num formato mais sólido na 3DS. Para além de uma exploração realista do mar (num efeito espécie aquário virtual), poderão controlar o vosso submarino através do giroscópio da 3DS como se fosse um periscópio, onde para além de navegar também poderão disparar torpedos.


Por último, um jogo que não se pensava ver o seu lançamento por cá. Solatorobo: Red the Hunter, desenvolvido pela Namco Bandai e CyberConnect2, que vai ser distribuido pela Nintendo para a Nintendo DS já no dia 1 de Julho. Seguimos as aventuras de Red Savarin, um cão antropomórfico que pode assumir uma forma humana em batalhas contra robôs. Um universo com personagens desenhadas por Nobuteru Yūki, já conhecido pelo seu trabalho noutros jogos como Chrono Cross e Seiken Densetsu 3 (Secret of Mana), e sequências de animação desenhadas pela muito famosa Madhouse (Death Note, Battle Angel, Chobits, entre muitos outros). Um jogo com gráficos tão bem desenvolvidos e detalhados que deixarão quaisquer possuidores de DS boqueabertos.


Também já está disponível o Pokémon Global Link, que vos permite adormecer um Pokémon e entrar numa nova aventura através do teu computador. Este sistema irá trazer novidades para os jogos Pokémon Black e White, entre os quais Pokémon com novas habilidades, exclusivas do Dream World.
Ler Mais >

5 de abril de 2011

Super Street Fighter IV 3D Edition


Longe vão os tempos em que Street Fighter II quase que magicamente se "fundia" com as Super Nintendo no início da época de 90. Não era nenhum truque, nem defeito, mas sim o resultado de um sólido jogo de combate, o Rei do género, que muito facilmente viciava os seus jogadores, introduzindo todo um fenómeno das arcades nas nossas casas e que todos queriam ter uma cópia para convidar os amigos. Seria então de esperar que este regresso da série à Nintendo fosse bem sucedido, mas este superou espectativas, uma versão equivalente às anteriores de Super Street Fighter IV nas consolas HD, com mais conteúdo, e não um downgrade como poderíamos esperar. A Capcom conseguiu demonstrar que é possível ter excelentes jogos no lançamento de uma nova consola, que até mesmo ports podem ser fascinantes, e não ser um trabalho feito à pressa para o lançamento, mas sim dedicado.


Para quem não conhece a série, se é que existem, falamos do mais conhecido jogo de luta de sempre, o principal responsável pela existência de tantos jogos de luta ao longo de 20 anos. Um jogador defronta outro numa arena de linha fixa (2D), com ataques que vão desde os simples socos e pontapés, a ataques especiais, como o muito conhecido Hadoken. Entre caras conhecidas como Ryu, Ken e Chun-Li, contamos com 35 personagens introduzidas ao longo da série e alguns novos lutadores, cada um deles com, normalmente, um Super Combo fixo e um de dois Ultra Combos à escolha. É muito fácil usar os nossos favoritos, muito devido ao equilíbrio entre personagens, e nunca nos sentimos a perder por não usar outras. Estejamos a jogar no modo Pro ou Lite, os ataques no touch-screen em Lite dá confiança a jogadores mais novatos, enquanto que o modo Pro facilita usar ataques que se tornam "impossíveis" de usar devido ao número de botões da 3DS. Nunca é um risco usar o modo Pro, porque geralmente as combinações de botões são muito semelhantes entre personagens.


Todo o jogo funciona perfeitamente bem em 3D, seja com a visão tradicional das lutas ou com a nova Dynamic View, que nos dá uma noção mais realista da luta. Devido às limitações técnicas da 3DS foi necessária uma séria adaptação das versões HD, e para não sacrificar a jogabilidade os cenários passaram a ser estáticos, com figuras em 2D ou alguns modelos em 3D, um detalhe que passa despercebido, não só devido à noção de profundidade nos cenários, mas por estamos sempre focados na luta e nas personagens, essas que ganham uma nova vida. Todos os seus detalhes tornam-se extremamente realistas devido ao efeito 3D, principalmente quando surgem close-ups e reparamos que estão muito bem pormenorizados, muito semelhantes aos modelos das consolas HD. Mesmo para quem não queria usar o 3D é possível desliga-lo por completo na opções do jogo, o que faz o jogo passar dos 30 para os 60 frames por segundo, tornando-se tão fluído como as versões HD. Nunca ficamos a perder.


Existem diversos modos de jogo: o tradicional Arcade que simula a experiência das máquinas de arcade; o modo Versus onde lutamos contra outro jogador localmente, contra o CPU ou ver o CPU lutar contra si mesmo; Channel live que partilha batalhas locais entre diversas 3DSs e Download play, que partilha o jogo com quem não o tenha. Existe também o modo 3D Versus, semelhante ao modo Versus mas dá uso da nova câmara Dinâmica. Para treinar temos os modos Challenge, que para além de trials em que executamos diversos ataques numa ordem, temos os níveis bónus do modo Arcade, e o modo Training, que serve apenas para treinar contra o CPU. É a experiência fiel das arcades no nosso bolso, que nos deixa prontos para lutar a qualquer momento, e mesmo para quem tenha as versões HD, esta é uma nova experiência, diferente das sessões de luta no sofá dentro de casa.


Mas onde o jogo brilha é na componente multi-jogador online, onde é bastante fácil encontrar adversários de todo o mundo. Embora não revolucionário, sendo um jogo de luta numa consola portátil esta é uma experiência excelente, onde normalmente nunca sofremos lag, a não ser que encontremos alguém com um mau serviço de internet (ou mau uso do mesmo). Também o modo de controlo (Pro ou Lite) muda a experiência, podendo mesmo ser frustrante lutar contra alguém que utilize o modo Lite indevidamente, com uso recorrente de ataques especiais configurados nos botões ou no ecrã. Mesmo assim não é um problema grave, sendo possível apenas lutar contra outros jogadores em Pro, encontrando menos lutas mas mais interessantes.

Através do StreetPass temos também o Figure Collection, uma novidade exclusiva desta versão, onde ao passar por outros jogadores na rua existe uma luta automática entre uma equipa de figuras que escolhemos com a do adversário. O vencedor ganha uma nova figura pra a colecção, num simples mini-jogo de coleccionismo que é interessante, não só por ser automático, mas também pelo acaso de encontrar alguém, o que nos informa que existem mais lutadores de rua por aí. É também possível jogar numa slot machine usando Figure Points, e até trocar figuras.


Será interessante acompanhar este jogo no futuro, e ver até que ponto a Capcom, que tanto soube explorar e dar um uso excelente de quase todas as funções da consola, vai continuar a suportar o jogo. Esperam-se novos updates no Super Street Fighter IV nas consolas HD, mas o modo como serão distribuídos ainda é incerto, não sabendo se esta 3D Edition irá ter direito a esses novos conteúdos também. Outros conteúdos como novos packs de roupas para as personagens também estão já disponíveis na versão HD, mas inexistentes nesta versão, e seria interessante ver novo conteúdo a surgir via SpotPass, o que por si aumentava a longevidade do jogo, e sendo um jogo de luta, nada mais perfeito que utilizar as Game Coins para desbloquear novas personagens.



Segunda opinião, por Telmo Couto

Típico do lançamento de uma consola, encontrar adaptações de jogos que já pertencem ao baú de consolas anteriores. Muitas vezes, são adaptações (ou sequelas) apressadas e desprovidas de conteúdo, sem pouco a dizer. Mas Super Street Fighter IV 3D Edition não é uma delas. Poucos títulos demonstram a dedicação dada a uma consola (especialmente durante a época de lançamento) como este jogo à 3DS. Não se limitaram a escalar para as dimensões do ecrã e adicionar imagem 3D. Não se ficaram pelo meio caminho, decidiram ir mais além. No dia de lançamento da consola, o melhor jogo para experimentar todas as novas funcionalidades que esta tem para oferecer é precisamente este SSFIV 3D Edition.


O modo StreetPass é uma novidade genial e marca um ponto de referência para os jogos futuros da 3DS: coleccionar pequenas figuras dos personagens, definir uma equipa e vê-la combater contra todos os jogadores de nas proximidades da consola. Levaram para a rua o próprio Street Fighter! É possível desafiar outros jogadores por wireless e até mesmo jogar contra quem não tem o jogo, graças ao Modo Download da consola. Mas é também possível desafiar o mundo inteiro através da internet. O ecrã táctil permite configurar atalhos para os movimentos mais complexos de cada personagem. Sendo a jogabilidade a mesma que já todos os que experimentaram algum jogo da série conhecem, estes atalhos acabam por facilitar bastante a introdução às mecânicas de combate para os novatos. É um jogo muito difícil de dominar, mas também muito fácil de começar a jogar.

Como se tudo isto não fosse suficiente, o efeito 3D funciona de forma extraordinária: é como se pequenas action figures de Street Fighter tivessem ganho vida e combatessem entre si do outro lado do vidro. Alguns sacrifícios tiveram de ser feitos, naturalmente. Os cenários do jogo são muito mais simples que os das versões das consolas HD e não têm qualquer animação. Vistos em 3D, parecem pequenas caixas onde essas action figures foram colocadas para combater. É realmente um efeito visual único, mas difícil de descrever. Um dos melhores jogos (senão mesmo o melhor) no lançamento da 3DS, não só exibe todas as capacidades da consola, mas também demonstra que uma adaptação consegue ser muito mais do que somente e apenas isso.
Ler Mais >