Notícias

Análises

22 de dezembro de 2011

Professor Layton and the Spectre's Call

Após uma fantástica trilogia, a série Professor Layton viaja no tempo para mostrar como tudo começou. Professor Layton and the Spectre's Call conta-nos a história da primeira grande aventura de Hershel Layton e como surgiu a sua amizade com o aprendiz Luke Triton, na misteriosa cidade de Misthallery onde os ataques de um espectro têm lançado o pânico. Com uma série de puzzles e quebra-cabeças completamente originais e mais uma boa história repleta de sequências de animação, o último jogo da saga na Nintendo DS é também um dos últimos grandes jogos da consola.

Este jogo não é apenas uma prequela para a trilogia, mas o início de toda uma série histórias que antecedem os eventos de Professor Layton and the Curious Village. A história conta com uma série de novos personagens, de entre os quais se destaca Emmy Altava, a assistente pessoal de Layton que facilmente se tornará uma favorita dos fãs, assim como o exageradamente másculo inspector Grosky e um novo e misterioso vilão para a série. Embora a narrativa siga uma estrutura semelhante à da trilogia original, aqui nota-se um cuidado em preparar os personagens para toda uma série, deixando pistas acerca de ligações passadas entre eles que nunca são clarificadas, deixando margem para exploração em jogos futuros. Infelizmente, é também esse cuidado que acaba por deixar para segundo plano os grandes mistérios da cidade de Misthallery: os principais mistérios da história são deixados de parte para outro jogo. Assim, a sensação deixada pelo final não será completamente gratificante, especialmente para quem esperar alguma revelação surpreendente.

Se a história em si não está à altura das melhores da série, o mesmo não se pode dizer dos valores de produção e até mesmo da narrativa. Este é o jogo com mais sequências de animação da consola e está cada vez mais perto de ser um filme completo. Não só existem muitas animações de grande qualidade, como todo o trabalho de localização é excelente: as vozes enquadram-se perfeitamente e enriquecem bastante os personagens. Além de todas as sequências de história da narrativa principal, há ainda uma série de "episódios", que permitem ver flashbacks de personagens (tanto principais como secundários) e aprofundar o conhecimento sobre alguns detalhes da história. Estes episódios incluem muitas vezes sequências de animação e são sempre muito interessantes ou divertidos. Também a banda sonora está excelente, com um destaque em particular para o tema principal do vilão deste jogo, uma das melhores músicas de toda a série.

A jogabilidade mantém-se praticamente inalterada em relação aos restantes jogos, com exploração da cidade ao estilo de aventura gráfica intercalada com vários puzzles que vão sendo apresentados pelos personagens. Desta vez, no entanto, há muito mais puzzles directamente ligados ao que acontece na história, fazendo com que tudo pareça melhor integrado. Outra novidade são alguns mini-questionários, onde Layton faz perguntas aos restantes personagens sobre os mistérios, fazendo o jogador sentir que está a fazer parte do processo de dedução que levará à descoberta das respostas. A principal desvantagem deste processo, no entanto, é ter contribuído para que os grandes mistérios acabassem por ser resolvidos de forma relativamente previsível, em comparação com os outros jogos.

Por ser o primeiro jogo da saga em termos de cronologia, é um bom ponto de partida para quem ainda não conhece a série, mas Professor Layton and the Spectre's Call é especialmente dedicado a quem gostou da trilogia original e quer agora descobrir mais sobre o passado de Layton. Infelizmente, o jogo acaba por deixar mais uma sensação de ansiedade pelo próximo (que será lançado já para a Nintendo 3DS) do que de gratificação – Spectre's Call é um novo começo e não um fim. É também importante notar que a versão europeia deste jogo, a que esta análise se refere, não inclui o jogo "London Life", um RPG bónus incluído nas edições japonesa e americana, pelo que os europeus acabam por estar a pagar o mesmo por menos conteúdo. Ainda assim, este é um jogo que vale mesmo a pena comprar, não sendo o melhor da série apenas por lhe faltar o elemento surpresa presente nos restantes jogos.