Notícias

Análises

30 de setembro de 2011

Kirby's Dream Land


Kirby é uma das personagens mais acarinhadas pelos fãs do universo Nintendo. A bola cor-de-rosa, com o seu estilo engraçado e um apetite insaciável, derreteu os corações de jogadores de várias gerações. Os jogos são geralmente fáceis e mais orientados ao público infantil, mas há na série um certo charme que faz com que qualquer pessoa se consiga divertir com eles. Kirby's Dream Land não tem esse charme.

Existem jogos fáceis que são divertidos de se jogar, mesmo não dando grande desafio. Outros, como é o caso deste jogo, são simplesmente demasiado fáceis. À luz da sua época, o jogo trouxe algumas inovações em jogabilidade, como a capacidade de engolir objectos e inimigos para depois os disparar, mas a habilidade de absorver as suas capacidades - uma característica marcante do personagem que hoje conhecemos - ainda não tinha sido introduzida. O objectivo deste jogo é basicamente seguir em frente (ou flutuar por cima dos inimigos) até encontrar um boss, que pode dar algum "desafio".


Ironicamente, após terminar o jogo, é desbloqueado um modo "difícil" que é... demasiado difícil. Esta poderia ser a salvação do jogo, não fosse a frustração causada pelo exagero no dano causado pelos inimigos. Se já não há qualquer incentivo em repetir a aventura no modo fácil, ainda há menos no modo difícil. O principal problema do jogo é mesmo este desiquilíbrio incompreensível, seguido da sua curta duração e falta de variedade.


Apesar de todas as suas falhas, Kirby's Dream Land é um jogo aceitável para os mais novos (apesar de ser um jogo Game Boy e, por isso, a preto e branco) e para aqueles que tenham curiosidade em conhecer as origens deste e outros personagens da série.