Notícias

Análises

7 de julho de 2011

Antevisão: Jogos Nintendo 3DS para 2011/2012

A Nintendo Ibérica tomou a iniciativa de abrir as portas à imprensa para dar a conhecer os jogos que tenciona lançar no mercado até ao final deste ano (e princípios de 2012) para as suas consolas DS, 3DS e Wii. Estavam presentes versões jogáveis dos diversos jogos, que foram também apresentados na E3 em Los Angeles há poucas semanas atrás. Dos vários títulos presentes, seguem-se algumas impressões dos principais jogos disponíveis para a Nintendo 3DS.

Star Fox 64 3D
Sendo um remake do jogo Star Fox 64 (Lylat Wars na Europa) para a Nintendo 64, foi surpreendente observar que a jogabilidade se mantém quase inalterada, mas que os gráficos foram substancialmente melhorados desde então. Os efeitos de luz e os reflexos na água são alguns dos pormenores que se destacam neste ambiente fiel ao jogo original, mas bastante enriquecido. Há ainda um modo alternativo em que o controlo da nave se baseia no giroscópio mas, mesmo assim, o jogo aparenta trazer poucas novidades a quem jogou a versão N64.

Metal Gear Solid: Snake Eater
Infelizmente, este jogo não causou grande impressão. Mesmo tendo em conta que é um remake fiel de um jogo PS2 (até com algumas melhorias visuais), o aspecto gráfico de Metal Gear Solid 3D ficou aquém do que outros jogos da consola têm para mostrar. A jogabilidade implementa várias características novas da 3DS sem quebrar com o tradicional da série, mas isto é algo que os fãs irão apreciar. Resta saber se é o suficiente para trazer novos fãs à série Metal Gear, pois parece ser mais orientado aos nostálgicos da versão original.

Kid Icarus: Uprising
"Sorry to keep you waiting!", diz Pit a todos os que há muito aguardavam um novo jogo da série. Mas será este o verdadeiro público-alvo do jogo? Kid Icarus é um jogo bastante diferente daquilo que era na NES, embora use a mesma temática principal e os mesmos designs para os personagens. Este pode ser caracterizado como um shooter/slasher, um género ainda em falta na Nintendo 3DS e mais focado no público juvenil. No início de cada nível, o jogo é semelhante ao Star Fox mas, pouco tempo depois, Pit perde o poder de voar e segue a pé, o que oferece alguma variedade ao jogo. Infelizmente, os controlos requerem alguma habituação por utilizarem em simultâneo o circle pad e a stylus, acabando por não ser tão acessível como o Star Fox 64 3D.

Super Mario
Dos criadores de Super Mario Galaxy. Por si só, seria argumento suficiente para não esperar nada a não ser o melhor para este jogo. Aqui notam-se muito mais as influências dos jogos clássicos da série em 2D, como este se fosse o primeiro "Super Mario Bros." em 3D: Mario é controlado com o analógico, há um botão para saltar, outro para correr e ainda outro para movimentos especiais como agachar e fazer um salto em comprimento. Neste jogo não há HP: tal como nos jogos 2D, há apenas Mario (quando fica pequenino), Super Mario e os fatos especiais, como a Fire Flower e o Tanooki Suit que está de regresso. Os níveis são compostos por áreas pequenas e não são muito extensos, mas são tão ou mais desafiantes do que os de Super Mario Galaxy 2. Sem dúvida um dos candidatos a jogo do ano para a 3DS, mas com uma concorrência muito agressiva de outro jogo do Mario para 2011: Mario Kart.

Mario Kart
Se várias demos impressionaram pelo seu aspecto gráfico, nenhuma alcançou o feito conseguido em Mario Kart: 3D a 60fps na Nintendo 3DS. À primeira vista, isto parece um mero pormenor técnico a referir mas, na realidade, causa uma enorme diferença entre este jogo e os restantes. Graças a esta fluidez, o jogo transmite uma sensação de velocidade fantástica e um efeito 3D bastante sólido que, em comparação, faz os restantes jogos na consola parecerem algo "desconsolados". A jogabilidade é exactamente a que se espera de um Mario Kart, favorecida pelo circle pad da consola. Os karts possuem agora uma asa delta para controlar o percurso no ar durante um salto e uma turbina para andar debaixo de água, duas mecânicas que foram muito bem inseridas e acabaram por enriquecer os circuitos de corrida. Não só um candidato a jogo do ano, mas também a criar uma referência nas expectativas dos jogadores em relação ao 3D na consola. Fantástico.

Luigi's Mansion 2
Embora com lançamento previsto para 2012, o Luigi não quis faltar à festa e trouxe uma aguardada sequela para o jogo de lançamento da Nintendo Gamecube. O jogo é daqueles casos ideais para ver em 3D, graças à sua perspectiva de câmara que faz cada divisão da mansão parecer uma pequena caixa dentro do ecrã. Os gráficos são também excelentes e a utilização do 3D é muito bem aproveitada para efeitos surpreendentes: por exemplo, quando o Luigi aponta a lanterna na direcção do ecrã, a sensação de encandeamento é mais forte num dos olhos, conforme o ângulo da luz. A jogabilidade é muito boa e a ausência de um segundo controlo analógico foi compensada com o giroscópio, usado na vertical para controlar o aspirador – prático, intuitivo e não afecta a sensação de 3D. Sem dúvida um jogo a manter debaixo de olho até ao próximo ano.