Notícias

Análises

5 de abril de 2011

Super Street Fighter IV 3D Edition


Longe vão os tempos em que Street Fighter II quase que magicamente se "fundia" com as Super Nintendo no início da época de 90. Não era nenhum truque, nem defeito, mas sim o resultado de um sólido jogo de combate, o Rei do género, que muito facilmente viciava os seus jogadores, introduzindo todo um fenómeno das arcades nas nossas casas e que todos queriam ter uma cópia para convidar os amigos. Seria então de esperar que este regresso da série à Nintendo fosse bem sucedido, mas este superou espectativas, uma versão equivalente às anteriores de Super Street Fighter IV nas consolas HD, com mais conteúdo, e não um downgrade como poderíamos esperar. A Capcom conseguiu demonstrar que é possível ter excelentes jogos no lançamento de uma nova consola, que até mesmo ports podem ser fascinantes, e não ser um trabalho feito à pressa para o lançamento, mas sim dedicado.


Para quem não conhece a série, se é que existem, falamos do mais conhecido jogo de luta de sempre, o principal responsável pela existência de tantos jogos de luta ao longo de 20 anos. Um jogador defronta outro numa arena de linha fixa (2D), com ataques que vão desde os simples socos e pontapés, a ataques especiais, como o muito conhecido Hadoken. Entre caras conhecidas como Ryu, Ken e Chun-Li, contamos com 35 personagens introduzidas ao longo da série e alguns novos lutadores, cada um deles com, normalmente, um Super Combo fixo e um de dois Ultra Combos à escolha. É muito fácil usar os nossos favoritos, muito devido ao equilíbrio entre personagens, e nunca nos sentimos a perder por não usar outras. Estejamos a jogar no modo Pro ou Lite, os ataques no touch-screen em Lite dá confiança a jogadores mais novatos, enquanto que o modo Pro facilita usar ataques que se tornam "impossíveis" de usar devido ao número de botões da 3DS. Nunca é um risco usar o modo Pro, porque geralmente as combinações de botões são muito semelhantes entre personagens.


Todo o jogo funciona perfeitamente bem em 3D, seja com a visão tradicional das lutas ou com a nova Dynamic View, que nos dá uma noção mais realista da luta. Devido às limitações técnicas da 3DS foi necessária uma séria adaptação das versões HD, e para não sacrificar a jogabilidade os cenários passaram a ser estáticos, com figuras em 2D ou alguns modelos em 3D, um detalhe que passa despercebido, não só devido à noção de profundidade nos cenários, mas por estamos sempre focados na luta e nas personagens, essas que ganham uma nova vida. Todos os seus detalhes tornam-se extremamente realistas devido ao efeito 3D, principalmente quando surgem close-ups e reparamos que estão muito bem pormenorizados, muito semelhantes aos modelos das consolas HD. Mesmo para quem não queria usar o 3D é possível desliga-lo por completo na opções do jogo, o que faz o jogo passar dos 30 para os 60 frames por segundo, tornando-se tão fluído como as versões HD. Nunca ficamos a perder.


Existem diversos modos de jogo: o tradicional Arcade que simula a experiência das máquinas de arcade; o modo Versus onde lutamos contra outro jogador localmente, contra o CPU ou ver o CPU lutar contra si mesmo; Channel live que partilha batalhas locais entre diversas 3DSs e Download play, que partilha o jogo com quem não o tenha. Existe também o modo 3D Versus, semelhante ao modo Versus mas dá uso da nova câmara Dinâmica. Para treinar temos os modos Challenge, que para além de trials em que executamos diversos ataques numa ordem, temos os níveis bónus do modo Arcade, e o modo Training, que serve apenas para treinar contra o CPU. É a experiência fiel das arcades no nosso bolso, que nos deixa prontos para lutar a qualquer momento, e mesmo para quem tenha as versões HD, esta é uma nova experiência, diferente das sessões de luta no sofá dentro de casa.


Mas onde o jogo brilha é na componente multi-jogador online, onde é bastante fácil encontrar adversários de todo o mundo. Embora não revolucionário, sendo um jogo de luta numa consola portátil esta é uma experiência excelente, onde normalmente nunca sofremos lag, a não ser que encontremos alguém com um mau serviço de internet (ou mau uso do mesmo). Também o modo de controlo (Pro ou Lite) muda a experiência, podendo mesmo ser frustrante lutar contra alguém que utilize o modo Lite indevidamente, com uso recorrente de ataques especiais configurados nos botões ou no ecrã. Mesmo assim não é um problema grave, sendo possível apenas lutar contra outros jogadores em Pro, encontrando menos lutas mas mais interessantes.

Através do StreetPass temos também o Figure Collection, uma novidade exclusiva desta versão, onde ao passar por outros jogadores na rua existe uma luta automática entre uma equipa de figuras que escolhemos com a do adversário. O vencedor ganha uma nova figura pra a colecção, num simples mini-jogo de coleccionismo que é interessante, não só por ser automático, mas também pelo acaso de encontrar alguém, o que nos informa que existem mais lutadores de rua por aí. É também possível jogar numa slot machine usando Figure Points, e até trocar figuras.


Será interessante acompanhar este jogo no futuro, e ver até que ponto a Capcom, que tanto soube explorar e dar um uso excelente de quase todas as funções da consola, vai continuar a suportar o jogo. Esperam-se novos updates no Super Street Fighter IV nas consolas HD, mas o modo como serão distribuídos ainda é incerto, não sabendo se esta 3D Edition irá ter direito a esses novos conteúdos também. Outros conteúdos como novos packs de roupas para as personagens também estão já disponíveis na versão HD, mas inexistentes nesta versão, e seria interessante ver novo conteúdo a surgir via SpotPass, o que por si aumentava a longevidade do jogo, e sendo um jogo de luta, nada mais perfeito que utilizar as Game Coins para desbloquear novas personagens.



Segunda opinião, por Telmo Couto

Típico do lançamento de uma consola, encontrar adaptações de jogos que já pertencem ao baú de consolas anteriores. Muitas vezes, são adaptações (ou sequelas) apressadas e desprovidas de conteúdo, sem pouco a dizer. Mas Super Street Fighter IV 3D Edition não é uma delas. Poucos títulos demonstram a dedicação dada a uma consola (especialmente durante a época de lançamento) como este jogo à 3DS. Não se limitaram a escalar para as dimensões do ecrã e adicionar imagem 3D. Não se ficaram pelo meio caminho, decidiram ir mais além. No dia de lançamento da consola, o melhor jogo para experimentar todas as novas funcionalidades que esta tem para oferecer é precisamente este SSFIV 3D Edition.


O modo StreetPass é uma novidade genial e marca um ponto de referência para os jogos futuros da 3DS: coleccionar pequenas figuras dos personagens, definir uma equipa e vê-la combater contra todos os jogadores de nas proximidades da consola. Levaram para a rua o próprio Street Fighter! É possível desafiar outros jogadores por wireless e até mesmo jogar contra quem não tem o jogo, graças ao Modo Download da consola. Mas é também possível desafiar o mundo inteiro através da internet. O ecrã táctil permite configurar atalhos para os movimentos mais complexos de cada personagem. Sendo a jogabilidade a mesma que já todos os que experimentaram algum jogo da série conhecem, estes atalhos acabam por facilitar bastante a introdução às mecânicas de combate para os novatos. É um jogo muito difícil de dominar, mas também muito fácil de começar a jogar.

Como se tudo isto não fosse suficiente, o efeito 3D funciona de forma extraordinária: é como se pequenas action figures de Street Fighter tivessem ganho vida e combatessem entre si do outro lado do vidro. Alguns sacrifícios tiveram de ser feitos, naturalmente. Os cenários do jogo são muito mais simples que os das versões das consolas HD e não têm qualquer animação. Vistos em 3D, parecem pequenas caixas onde essas action figures foram colocadas para combater. É realmente um efeito visual único, mas difícil de descrever. Um dos melhores jogos (senão mesmo o melhor) no lançamento da 3DS, não só exibe todas as capacidades da consola, mas também demonstra que uma adaptação consegue ser muito mais do que somente e apenas isso.