Notícias

Análises

3 de agosto de 2010

Trauma Center: Under the Knife

Lançado em 2005, Trauma Center: Under the Knife rapidamente se tornou num jogo de culto para os possuidores de uma Nintendo DS. Enquanto muitos developers se preocupavam em adaptar os seus jogos tradicionais para o ecrã táctil da consola, a Atlus desenvolveu este inovador jogo de simulação de uma mesa de operações. Ao longo do jogo, a stylus é utilizada como um bisturi, pinça ou seringa, alguns dos utensílios necessários para salvar os pacientes do hospital, vítimas de uma organização bio-terrorista.

Apesar de ser considerado um simulador, não se espere daqui qualquer realismo. Uma das primeiras operações consiste em retirar vidros do braço de uma vítima de acidente de mota, mas rapidamente surgirão doenças completamente fantasiosas para tratar, criadas em laboratório com o objectivo de espalhar o terror. A vantagem da falta de realismo é que o jogo permite falhar algumas vezes antes que a operação seja dada como falhada, mas é essencial prestar atenção aos "sinais vitais" do paciente e ao tempo limite. O médico, Derek Stiles (ainda do tempo em que os trocadilhos com DS pareciam populares), conta com a ajuda de uma assistente para o guiar ao longo da cirurgia, assegurando-o que não troca a ordem correcta dos passos.


Embora o jogo comece bastante simples e acessível, acaba por revelar-se bastante desafiante até ao final da história, acrescentando algumas missões extremamente difíceis no final para quem tivesse achado fácil. O jogo é principalmente um teste à capacidade de reagir sob pressão e requer nervos de aço para evitar a frustração da morte de um paciente – felizmente, há sempre um médico que o salva mesmo a tempo, mas não impede o temido "Game Over". Embora seja um jogo bastante divertido, a frustração dos níveis mais avançados poderá desiludir alguns jogadores que procurem uma experiência mais casual. Já aqueles que gostam de jogos mais desafiantes terão aqui uma boa forma de testar as suas capacidades.