Notícias

Análises

4 de maio de 2010

Elite Beat Agents


Ainda antes da verdadeira ascensão (e queda) na popularidade de séries como Guitar Hero nas consolas, muitos jogos de ritmo limitavam-se a pedir que se carregasse num certo botão quando um ponto de uma barra musical atingisse uma meta. Outros, obrigavam os jogadores a dançar em cima de um tapete ou um outro periférico que viesse com o jogo e servisse para pouco mais. Foi nessa altura que a Nintendo DS nos trouxe um jogo de ritmo completamente original, divertido e inovador: Elite Beat Agents.


"Osu! Tatakae! Ouendan" é o nome da versão japonesa deste jogo, que consiste num grupo de cheerleaders masculinos que ajudam várias pessoas através do seu poder da dança. Apesar da sua excelente jogabilidade, a adaptação ao mercado ocidental parecia impossível: não havia nenhuma referência cultural que se relacionasse com a temática deste jogo. Ao adaptarem este jogo a esta cultura, então, os criadores do jogo optaram por criar personagens, histórias e músicas completamente novas.


A jogabilidade é simples: ao longo das músicas, vão surgindo círculos numerados no ecrã, rodeados por uma circunferência que vai diminuindo de tamanho. Quando a circunferência tem exactamente o mesmo tamanho do número em questão, significa que é o momento ideal para carregar no círculo com a stylus da DS. Este é apenas um guia visual, pois o objectivo do jogo é acompanhar o ritmo da música conforme se vai carregando nos diferentes círculos, que correspondem aos movimentos de dança a efectuar pelos agentes secretos. As músicas são bastante mainstream e, na sua maioria, facilmente reconhecíveis pelos jogadores, incluindo clássicos como "I Was Born To Love You", "Material Girl" e "Jumping Jack Flash".


Tão depressa se acompanha a história de Leonardo Da Vinci e os seus esforços para impressionar a Mona Lisa, como duas jovens belas, ricas e fúteis tentam sobreviver numa ilha deserta. O próprio facto deste jogo ser sobre agentes secretos que dançam é, por si, hilariante e sinal do quão absurdo e divertido será o jogo. Em cada história, há três sequências cujo desfecho depende do desempenho do jogador, sendo o resultado final determinante para o sucesso nos diferentes níveis do jogo. Há vários modos de dificuldade disponíveis e ainda músicas secretas para desbloquear, o que lhe dá uma boa longevidade: este é dos poucos jogos em que a dificuldade e a diversão aumentam de forma equilibrada. Um pequeno extra incluído neste jogo é o modo multiplayer para dois jogadores, que consiste em ver qual consegue o melhor desempenho nas músicas, enquanto tenta prejudicar o desempenho do adversário.


Elite Beat Agents não teria sido possível sem a Nintendo DS e utiliza da melhor maneira os recursos que esta oferece. Dificilmente se encontra um jogo mais divertido e acessível do que este: apesar do aumento da dificuldade nos níveis mais avançados, é um jogo muito fácil de aprender e que qualquer pessoa é capaz de jogar. Há sempre uma ou outra música que pode agradar menos, mas assim se garantiu haver algo para todos os gostos, sendo que a única crítica a apontar é que eventualmente o jogo acaba. É o melhor jogo musical da DS e um dos jogos mais divertidos alguma vez feitos para a consola!